Imprensa nunca esteve tão ameaçada, diz estudo

Relatório da Repórteres sem Fronteira diz que a liberdade de imprensa se deteriorou em dois terços do mundo e está sob forte ameaça também em países democráticos. No Brasil, situação é "cada vez mais instável".
A liberdade de imprensa "nunca esteve tão ameaçada como agora", alerta um relatório divulgado nesta quarta-feira (26/04) pela ONG Repórteres sem Fronteiras (RSF). O estudo aponta situação "difícil" ou " grave" em mais de 70 países. No Brasil, o panorama para a prática do jornalismo é descrito com notadamente sensível.
Segundo o estudo, a liberdade de imprensa de deteriorou em dois terços do mundo, e está sob forte ameaça não só em regimes autoritários e ditaduras, mas também em países democráticos, que também aumentaram a restrição ao trabalho jornalístico.
O Brasil subiu uma posição no ranking, que é divulgado anualmente. Dos 180 países pesquisados, ficou na 103ª colocação, com "um ambiente de trabalho cada vez mais instável".
O relatório destaca que "a ausência de um mecanismo nacional de proteção para os repórteres em situação de risco, o clima de impunidade – alimentado pela corrupção onipresente – e a forte instabilidade política, ilustrada pela destituição de Dilma Rousseff em 2016, tornam a tarefa dos jornalistas ainda mais difícil". A organização, sediada em Paris, diz que o Brasil "ainda é um dos países mais violentos da América Latina para a prática do jornalismo" e que "o campo da comunicação ainda é bastante concentrado no país, com forte influência de grandes famílias industriais, com frequência, próximas da classe política".

América Latina
Na América Latina, México (147ª colocação) e Cuba (173ª) são os países que mais ameaçam a liberdade de imprensa. A ilha caribenha é o único país na "lista negra" da RSF, composta por outros 21 países, como Egito, Líbia, Irã, Iêmen, Síria, China e Coreia do Norte. Neles, a deterioração da liberdade de imprensa é descrita como "grave". O México se destaca pela corrupção e o crime organizado a nível local. Foram assassinados dez jornalistas em 2016, "com uma nova avalanche de assassinatos em março de 2017". Segundo a ONG, os crimes permanecem, na maioria das vezes, impunes.
Uruguai na 25ª posição (20ª no ano passado), Chile na 33ª (31ª) e Belize na 41ª (36ª) estão no grupo onde a situação da liberdade de imprensa é "relativamente boa".
Argentina na 50ª classificação, Haiti (53ª), República Dominicana (59ª), El Salvador (62ª), Peru (90ª), Nicarágua (92ª), Panamá (96ª), Brasil (103ª), Equador (105ª) e Bolívia (107ª) são os países latino-americanos no grupo "situação sensível".

EUA e Reino Unido
A imprensa é livre apenas em meia centena de países em todo o mundo - na América do Norte, Europa, Austrália e sul de África -, indicou o documento, que manifesta preocupação com o "risco de grande inflexão da situação da liberdade de imprensa, especialmente em países democráticos importantes".
"A taxa em que as democracias estão se aproximando do ponto de inflexão é alarmante para todos aqueles que entendem que, se a liberdade da mídia não é garantida, então nenhuma das outras liberdades pode ser garantida", afirmou Christophe Deloire, secretário-geral da RSF.
Pesquisadores afirmam que políticos em cargos altos usaram seus poderes para anular reportagens da mídia. Um exemplo é o caso do premiê finlandês, Juha Sipilä, que reclamou perante a rádio pública YLE sobre matérias que o acusavam de conflitos de interesses. Como resultado, outras reportagens foram interrompidas pelo editor-chefe.
Na Nova Zelândia, uma legislação foi introduzida para aumentar os poderes dos serviços de inteligência contra a imprensa. Já no Canadá, agências estatais monitoraram jornalistas que investigaram o terrorismo para encontrar a fonte da polícia que vazou informações. O mesmo aconteceu no Reino Unido. Nos EUA, os jornalistas americanos foram repetidamente levados a julgamento por noticiar protestos. A ONG acusa o presidente americano, Donald Trump, de "denúncias sistemáticas" contra a mídia.
O relatório adverte sobre o discurso antimídia de Trump durante sua campanha eleitoral e no referendo sobre o Brexit, no Reino Unido. Estados Unidos, Reino Unido caíram duas posições na classificação, respectivamente, para 43º e 40º lugares. Exemplos positivos A Noruega aparece em primeiro lugar no ranking de 180 países, e a Coreia do Norte assumiu o último lugar, que era da Eritreia, ocupante da posição por uma década. A China e a Síria – que se tornou o país mais mortal para jornalistas – juntamente com o Turcomenistão, completam a lista dos cinco piores em liberdade de imprensa.
A Itália subiu 25 lugares – para 52ª posição – devido à absolvição de jornalistas julgados no caso Vatileaks II, que investigou a Igreja Católica. A Nova Zelândia (13ª) e o Canadá (22ª) caíram, respectivamente, oito e quatro lugares, enquanto os EUA (43ª) e Finlândia (3ª) perderam, cada um, duas posições. A maior queda no ranking foi da Nicarágua (92ª), 17 lugares.
A Alemanha (16ª), que caiu quatro posições no relatório referente a 2015 devido a ameaças de morte contra jornalistas, se manteve inalterada em 2016, juntamente com Noruega (1ª), Dinamarca (4ª), Bélgica (9ª), Áustria (11ª) e Estônia (12ª).
Sete lugares à frente da Turquia (155ª), a Rússia permanece firme na 148ª posição entre os 180 países pesquisados. Oriente Médio e África continuam sendo as duas regiões mais perigosas no mundo para a imprensa.

FC/dw/efe/afp  
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe