Camilo em busca de sua marca

Alguém por aí se lembra de que o governador Camilo Santana é do PT? Pois é. Na campanha, em 2014, o material de divulgação do então candidato bancada pela família Ferreira Gomes já relegava o vermelho petista ao terceiro plano. Camilo vestia camisa branca. Nas imagens, predominava uma mistura de amarelos. E olha que eram tempos em que o escândalo do petrolão e a Lava Jato ainda estavam nas fraldas.
A conveniência de esconder a sigla e suas cores não se restringiu à campanha. Camilo faz o governo menos petista que o menos petista dos petistas poderia imaginar.
O governador praticamente não fala de partido. Com as últimas notícias da Lava Jato, se alguém perguntar ao governador acerca de sua filiação, talvez se saia com essa: “Como assim?”, expressaria denotando desconhecimento de causa. 
Um governo de cofres vazios, sem dinheiro para trocar obras em um país mergulhado na recessão. As contas do Ceará respiram através de aparelhos. Entretanto, não estão na UTI. 
Em meio ao desamparo das circunstâncias, o governador busca uma marca para credenciar-se como candidato à reeleição. Quais os peixes que Camilo Santana vai vender na campanha de reeleição, provavelmente já como um ex-petista? Um deles será justamente o equilíbrio das contas. Isso concede credibilidade ao candidato, mas só reelege síndico de prédio. Outro será... Será... Será... Nada está na ponta da língua.
Cid Gomes deixou uma imensidão de obras para dar continuidade em um deserto financeiro. No fim das contas, sobram obras inacabadas e algumas outras finalizadas, mas sem o uso dimensionado. É claro que há para Camilo um amontoado de pequenas obras de impacto restrito inauguradas ou a inaugurar. Vale ressaltar a correta política de combate aos efeitos da seca. Nesse ponto, o Governo foi sábio ao sistematizar e planejar as ações.
A área de segurança é outra delicada. Até que vinha bem, mas os quatro primeiros meses de 2017 ligaram a sirene de alerta. Ainda na segurança, Camilo substituiu um discreto secretário por outro mais jovem, com arma no coldre e que usa redes sociais para mandar recados. Defensor ardoroso dos policiais militares e civis, fez o gosto da tropa. Fechou ainda mais os espaços políticos do opositor Capitão Wagner, mas os índices pioraram.
Mas, voltemos ao menos petista dos ainda petistas. De olho na reeleição, Camilo se abraçou a um pequeno grupo em busca de salvação. Maia Jr é o representante dessa turma no Governo. Participam desse grupo, quadros como o executivo Geraldo Luciano, conselheiro informal de todas as horas.
O foco é dar uma cara mais definida à gestão, manter equilíbrio das contas, azeitar a máquina administrativa, melhorar o desempenho das políticas públicas, se reeleger e fazer um segundo Governo de melhor qualidade. Sempre na expectativa de que os anos vindouros serão menos ranzinzas de água e, principalmente, de dinheiro.

Fábio Campos
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe