Filho de cearense morre em guerra contra Estado Islâmico no Afeganistão

O sargento do exército americano, Mark de Alencar, filho de um cearense que participou da Guerra do Golfo, morreu enquanto lutava contra o Estado Islâmico, no Afeganistão, no dia 8 de abril - apenas sete dias após completar 37 anos. As informações são do Fantástico.
Integrante das forças especiais do exército, o sargento foi o primeiro militar americano morto este ano no país afegão. Antes de entrar para o exército, Mark foi carpinteiro, mas em 2009 ficou sem trabalho por causa da crise econômica que atingiu os Estados Unidos. Ele era casado com uma americana e tinha cinco filhos.
De acordo com o pai de Mark, o cearense João Roberto Pontes de Alencar, "ele tava num comboio e foram atacados. Estavam todos no chão, não puderam responder a fogo. O Mark levantou e atacou sozinho a montanha", diz em referência ao momento em que o filho foi assassinado. 
Amigos fizeram campanha na internet e arrecadaram quase R$ 1 milhão após a doação de mais de 5 mil pessoas. Mark de Alencar deixou mulher e cinco filhos.

Pai cearense lutou no Exército dos Estados Unidos e depois virou taxista
João Roberto foi morar nos Estados Unidos quando tinha 18 anos, virou taxista e depois entrou no Exército. Foi enviado a uma base militar, na Alemanha, onde Mark de Alencar nasceu. O pai participou da Guerra do Golfo em 1990 e 1991, voltando definitivamente com o filho para a América em 1993, quando Mark tinha 13 anos.
Apenas cinco dias após a morte do sargento, o governo dos Estados Unidos lançou a bomba mais poderosa de seu arsenal na mesma província, matando mais de 90 soldados do EI.
O corpo de Mark foi transferido com todos os procedimentos militares e enterrado na semana passada no cemitério de Arlington, que desde o século XIX recebe os corpos dos americanos que morreram em conflitos e guerras.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe