Avião com 500 kg de cocaína decolou de fazenda ligada a Blairo Maggi

Uma aeronave com 500 kg de cocaína interceptada em Goiás nesse domingo (25) decolou de uma fazenda no Mato Grosso ligada ao ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP). A informação é da FAB (Força Aérea Brasileira), que emitiu nota oficial sobre a apreensão.
De acordo com o comunicado, o avião decolou da fazenda Itamarati Norte, em Campo Novo do Parecis (MT) com destino a Santo Antonio Leverger (MT). A Itamarati Norte é arrendada pelo Grupo Amaggi, pertencente à família do ministro. O caso foi noticiado pelo site "Midia News" e confirmado pela reportagem.
Nesta segunda-feira (26), a FAB divulgou nova nota em que afirma que as informações foram fornecidas pelo piloto da aeronave e que a localização exata da decolagem será investigada. O avião foi interceptado por volta das 13h do domingo e, após ser orientado a pousar na região de Aragarças (GO), o bimotor matrícula PT-IIJ arremeteu.
"O A-29 da FAB executou o tiro de aviso - uma medida de persuasão para forçar o piloto da aeronave interceptada a cumprir as determinações da defesa aérea - e voltou a comandar o pouso obrigatório", afirma a nota.
O bimotor pousou na região de Jussara (GO) e foi encontrado por um helicóptero da Polícia Militar. A droga apreendida será levada à Polícia Federal em Goiânia. A interceptação ocorreu no âmbito da Operação Ostium, que tem como objetivo reforçar a vigilância do espaço aéreo na fronteira do Brasil com a Bolívia e o Paraguai para coibir voos que possam estar ligados ao narcotráfico.
Em nota, a Amaggi afirmou que "aguarda o desenrolar das investigações sobre a propriedade da aeronave e as circunstâncias exatas em que ela -conforme afirmou a FAB preliminarmente- teria pousado na Fazenda Itamarati e decolado a partir de uma de suas pistas".
De acordo com a empresa, a parte da fazenda arrendada pela empresa possui 11 pistas, localizadas em pontos esparsos de 54,3 mil hectares, sem vigilância permanente. O grupo também afirmou não ter "qualquer ligação" com a aeronave e que não autorizou pouso e decolagem da fazenda Itamarati Norte. Além disso, disse que colaborou com a operação quando a a polícia foi informada de que uma aeronave clandestina pousaria com "cerca de 400 kg de entorpecentes" em uma das pistas auxiliares da fazenda.
O ministro Blairo Maggi disse, por meio de sua conta no Twitter, que está "acompanhando as investigações da FAB @portalfab sobre o local de decolagem da aeronave. Quando confirmado, informo". Ele também afirmou que a fazenda "é extensa e enfrenta como MT a ação vulnerável do tráfico".
Procurado por meio de sua assessoria de imprensa, o Ministério da Fazenda informou que não se pronunciará sobre o caso.

Folhapress
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe