Publicidade

PSDB decide ficar no governo Temer, mas cogita repensar saída em caso de denúncia

Em reunião na noite desta segunda-feira (12), três dias depois do julgamento no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que livrou o presidente Michel Temer (PMDB) da cassação, a cúpula do PSDB decidiu permanecer na base aliada do governo federal. O encontro aconteceu na sede nacional do partido, em Brasília.
Desde o início da crise política que atingiu o governo Temer, quando foram divulgadas as primeiras informações sobre as delações premiadas dos executivos do grupo J&F, no dia 17 do mês passado, os tucanos estabeleceram a data do julgamento como limite para a definição sobre o apoio a Temer, que se tornou alvo de inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) e é suspeito de cometer os crimes de corrupção passiva, organização criminosa e obstrução de Justiça.
"O PSDB não fará nenhum movimento agora no sentido de sair do governo. A decisão foi de que os ministros não sairão do governo", declarou o senador José Serra (SP), que afirmou que a reunião foi realizada em total "clima de harmonia". "Se for o caso, em outro momento se analisa".
Serra, que foi ministro das Relações Exteriores do governo Temer, avaliou que o momento agora é de trabalhar pelo país. "É um governo que tocou adiante compromissos que assumiu conosco. E isso é visto como algo positivo", completou o senador, revelando que o tema das eleições indiretas não foi discutido na plenária.
"Nós temos um compromisso com o Brasil. Não vai ser simplesmente chutando o balde agora que vamos ajudar o país a reencontrar o seu rumo", afirmou o ex-prefeito de Sorocaba (SP) e ex-deputado federal Antonio Carlos Pannuzio. "Não podemos virar as costas para o Brasil".
Presidente interino da sigla, Tasso Jereissati (CE) acatou a decisão da maioria, mas admitiu que sua opção era outra. "Minha posição [sobre entregar os cargos] foi vencida. Não houve consenso da maioria", admitiu o senador, que também viu falta de coerência entre os tucanos. "Com certeza existe uma incoerência nisso, mas foi a incoerência que a história nos colocou".
O desembarque, porém, ainda poderá ser cogitado. Os tucanos admitem a possibilidade de se reunir novamente e repensar a decisão de permanecer na base aliada assim que a PGR (Procuradoria-Geral da República) apresentar uma denúncia formal contra o presidente no STF (Supremo Tribunal Federal). Políticos acreditam que o procurador-geral Rodrigo Janot pedirá a abertura de processo contra Temer na próxima semana.
"Chegando a denúncia contra Temer, será um fato novo, que merecerá outra reunião", afirmou Pannuzio.
Presidente interino do PSDB, o senador Tasso Jereissati (CE) disse que não existe qualquer decisão de fechar questão com relação à apreciação de eventual denúncia contra Temer na Câmara.
"Como a bancada tem posições diferentes, vai ser uma voto de consciência e não de partido".

Elite do partido reunida
Comandada por Tasso Jereissati, a reunião durou mais quatro horas, com discursos de vários políticos presentes, entre governadores, ministros, senadores e deputados.
Entre os discursos mais enfáticos pela permanência do PSDB no governo estiveram as dos paulistas Geraldo Alckmin, governador do Estado, e João Doria, prefeito da capital. Cogitados a representar o partido na eleição presidencial de 2018, ambos defenderam que o partido deve se manter na base com o objetivo principal de aprovar as reformas que estão em tramitação no Congresso.
"Há consciência no PSDB de que é preciso agir positivamente. Nesse momento, o pensamento majoritário, respeitando as posições contrárias, foi de manter o apoio ao governo, às políticas de reforma, e aos quatro ministros que lá estão", declarou o prefeito de São Paulo. Doria afirmou, no entanto, que essa posição será reavaliada sempre que necessário.
Sobre a eventual denúncia contra Temer, ele disse que o partido vai "avaliar diariamente". "Ficou muito claro que não há nenhuma posição definitiva, nem um cheque endossado até o final do governo", disse. "Oportunamente, isso deve ser discutido", completou.
Com a terceira maior bancada do Congresso, com 10 senadores e 47 deputados federais, a legenda é a principal aliada do PMDB no governo federal. O partido tem quatro ministros: Bruno Araújo (Cidades), Antônio Imbassahy (Secretaria de Governo), Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores) e Luislinda Valois (Secretaria de Direitos Humanos. Todos eles compareceram ao encontro.
Entre lideranças nacionais presentes na reunião, estavam também governadores como Beto Richa (Paraná), Marconi Perillo (Goiás) e Simão Jatene (Pará), senadores como Paulo Bauer (SC), Ricardo Ferraço (ES) e Antônio Anastasia (MG) e vários deputados federais, como Ricardo Trípoli (SP), líder da bancada na Câmara, Silvio Torres (SP), secretário-geral do partido, Rogério Marinho (RN), Betinho Gomes (PE) e Miguel Haddad (SP).
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e o senador afastado Aécio Neves (MG) não participam do encontro. O mineiro foi afastado de suas funções no Senado e se licenciou da Presidência nacional do partido no dia 18 do mês passado.
No último dia 2, ele foi denunciado pela PGR (Procuradoria-Geral da República) por corrupção passiva e obstrução de Justiça. Desde então, o tucano não fez nenhuma aparição pública. No STF, há um pedido de prisão pendente contra ele. O relator do processo é o ministro Marco Aurélio Mello, que assumiu após o desmembramento do processo contra Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) --este na mão do ministro Edson Fachin, relator da operação Lava Jato na Corte.

Senador defende desembarque
Relator da reforma trabalhista proposta pelo governo Temer em duas das três comissões no Senado em que o projeto precisa tramitar antes de ir à votação no plenário --de Assuntos Econômicos e Assuntos Sociais--, o senador Ricardo Ferraço defendeu antes de entrar na reunião que o PSDB entregasse os cargos no governo federal por conta das "denúncias devastadoras" contra o peemedebista.
"É uma crise insustentável, as denúncias são devastadoras, e o governo não encontrará tempo para se organizar em torno da agenda que nós precisamos. Todo o tempo do governo será dedicado à sua defesa, e isso compromete esse processo e a evolução das reformas que o Brasil necessita", declarou Ferraço.
"Nós precisamos olhar para a vida como ela é e não como nós gostaríamos como ela fosse. Toda vez que você tem fatos, e quando eles são fortes como são, nós precisamos rever as nossas crenças. Então não dá para você olhar para o ambiente e achar que somente a preocupação com o dia seguinte deve se estabelecer num momento como esse. Os fatos indicam que, na prática, o partido deve entregar os cargos para que a gente possa continuar lutando pelas reformas", argumentou o senador.
Apesar das divergências, os tucanos se dispuseram a acatar a decisão da maioria. "Foi uma reunião extremamente aberta. Todos puderam falar", descreveu o deputado Ricardo Trípoli, líder da bancada do PSDB na Câmara. "Todos os que falaram disseram que vão se submeter à posição do partido."

"Responsabilidade"
Desde o início da crise, "responsabilidade" tem sido a palavra de ordem para a maioria dos tucanos, principalmente aos que integram a cúpula do partido. Logo depois de assumir o lugar de Aécio, Jereissati (CE), divulgou nota informando que, "mantendo sua responsabilidade com o país, que enfrenta uma crise econômica sem precedentes, o PSDB pediu aos seus quatro ministros que permaneçam em seus respectivos cargos".
No comunicado, a decisão foi condicionada a "enquanto o partido, assim como o Brasil, aguarda a divulgação do conteúdo das gravações dos executivos da JBS", o que ocorreu no dia seguinte.
Naquele dia, Ricardo Trípoli (SP) chegou a informar, após reunião da bancada da Câmara, que pediria que os ministros tucanos deixem seus cargos no governo federal caso as denúncias contra o presidente Temer fossem confirmadas.
O deputado federal João Gualberto (PSDB-BA), um dos oito parlamentares tucanos que protocolaram um pedido de impeachment de Temer na ocasião, afirmou que o partido "tem que ter coerência" diante da crise política causada pela delação do dono da JBS, Joesley Batista. "O PSDB praticamente ficou à frente do impeachment de Dilma [Rousseff, ex-presidente deposta no ano passado]. Não pode ser diferente agora", declarou.

UOL
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe