Dispositivo cearense revolucionário promete eliminar dores na aplicação da anestesia

Um dispositivo cearense está sendo desenvolvido para diminuir ou até eliminar o desconforto no processo de aplicação de anestesia. O professor e coordenador do projeto, Jeová Moreira, ressalta que o mundo já registrou algo semelhante. Mas a versão cearense conta com três novas tecnologias para evitar o incômodo.
“Existem outros dispositivos, que chamamos de dispositivos eletrônicos. Mas esse novo dispositivo conta com três diferentes tecnologias que existem no mundo. Basicamente, as três se baseiam na vibração do tecido onde se aplica a anestesia, outro aspecto é de controlar a punção da agulha inicial e o último é controlar a velocidade de injeção no líquido. Juntando essas quatro possibilidades, o paciente não sente dor”, explica.
O mercado pode receber essa forma em até três anos, dependendo das pendências burocráticas. “Nossa perspectiva é que em 2 ou 3 anos poderemos levar ao mercado em função das certificações que são exigidas pela Anvisa aqui no Brasil”, disse.
Sobre os próximos passos da pesquisa, o professor Jeová Moreira faz uma previsão para o início dos testes clínicos. “A gente está desenvolvendo agora nosso terceiro protótipo, nós realizamos testes clínicos, por isso nossa parceria com a Universidade Federal do Ceará. Os testes funcionam na medida que vamos desenvolvendo os protótipos”, afirma.
Ao final desse próximo protótipo, que deve ser no segundo semestre de 2018, o próximo passo é solicitar as certificações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Anatel para o uso do Bluetooth no sistema.

Tribuna do Ceará
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe