Lúcio Funaro assina acordo de delação com a Procuradoria Geral da República

O operador Lúcio Funaro assinou nesta terça-feira (22) o acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República.
Ligado ao PMDB e ao ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, que está preso, Funaro promete revelar novos detalhes de esquemas de corrupção envolvendo o presidente Michel Temer e políticos com foro privilegiado – a maioria do PMDB.
O operador chegou a cogitar a delação no inicío do ano, mas as negociações não avançaram e ele trocou de advogados algumas vezes.
Em maio, quando a irmã dele Roberta Funaro foi presa na operação Patmos, deflagrada a partir da delação de executivos da JBS, Funaro decidiu fazer delação e se concentrou nas tratativas, trocando novamente de advogado para começar a rascunhar os anexos – fatos e personagens que ele pretendia entregar.
Funaro contratou o mesmo escritório que defende o também doleiro Alberto Youssef. O jurista Antônio Figueiredo Basto é especialista em delações premiadas.
Transferências
No início de julho, Funaro saiu pela primeira vez do Complexo da Papuda, em Brasília, onde está preso, para passar um período na superintendência da Polícia Federal na capital.
No local, ele ficou à disposição para prestar depoimentos a delegados e a procuradores em investigações das quais é alvo e, ao mesmo tempo, começou a construir o roteiro da delação, apresentado à Procuradoria Geral da República.
Funaro saiu da PF e voltou para o presídio no último dia 11 de agosto e, nesta segunda (21), dez dias depois, foi transferido de volta para a superintendência da Polícia Federal.
A PF oferece melhor estrutura para Funaro prestar os depoimentos do acordo de delação e ser acompanhado por advogados. O pedido de transferência dele de volta para a PF foi apresentado pelo Ministério Público Federal para que o doleiro possa prestar depoimentos.
A solicitação do MP foi autorizada pela Justiça Federal de Brasília.

Depoimentos
Os depoimentos que Funaro prestou, antes mesmo da assinatura do acordo de colaboração, tiveram repercussão em várias frentes de investigações. Um deles, o que o doleiro conta que Geddel sondou Raquel Pitta, esposa de Funaro, sobre a possibilidade de delação – levou o ex-ministro Geddel Vieira Lima a ser preso no início do mês passado. Geddel já deixou a prisão por decisão de desembargador Ney Belo, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.
Em um de seus depoimentos – no último dia 7 – Lúcio Funaro também relatou que fez várias entregas de "malas de dinheiro" nas mãos do ex-ministro Geddel Vieira Lima(PMDB-BA) em uma sala do aeroporto de Salvador.
Outro depoimento, também à Polícia Federal, foi usado na denúncia contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva. Funaro disse que o presidente Michel Temer sabia do pagamento de propinas na Petrobras. Nas negociações de delação premiada, ele também disse que Temer orientou a distribuição de dinheiro desviado da Caixa Econômica Federal. A assessoria do presidente nega as acusações.
Na semana passada Funaro falou com jornalistas ao sair de uma audiência na Justiça Federal em Brasília, Indagado se os fatos novos poderiam envolver o presidente Michel Temer em sua delação , ele respondeu: "Também".

G1
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe