Ministro de Minas e Energia confirma privatização da Eletrobrás até junho de 2018

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, confirmou, nesta terça-feira (22), a privatização da Eletrobrás. Segundo Coelho, nas condições atuais, a estatal não tem dificuldade em honrar os compromissos e ainda competir no mercado. “O aumento de tarifas e de encargos não são alternativas”. O Governo Federal ainda manterá uma “golden share” com poder de veto nas decisões da companhia. A proposta de venda será submetida amanhã (23) ao conselho da instituição.
Segundo o ministro, a expectativa é que a conta de luz fique mais barata com a privatização da Eletrobrás, devido ao aumento da eficiência e redução dos custos. O projeto nuclear e a Usina de Itaipu terão tratamento diferenciando dentro do processo de privatização, sendo discutidos em reunião com o conselho da empresa. A intenção do Governo Federal é concluir o processo até o primeiro semestre de 2018.

Demissões
O presidente da Eletrobrás, Wilson Ferreira Júnior, afirmou que os funcionários da empresa são celetistas e não poderão ser demitidos sem custos. “Fizemos um programa recente de aposentadoria voluntária, que teve adesão de 2.100 funcionários. E vamos oferecer um novo pacote de demissão voluntária no fim do ano”.
Além disso, Wilson falou ainda que a estatal vai continuar “negociando com os sindicatos” a questão da demissão de funcionários após a privatização.

Redação Web
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe