"Se Lula é o Messi, prefiro ser o Neymar", diz Doria em Fortaleza

O prefeito de São Paulo, João Doria, atacou nesta sexta-feira (18) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em resposta às declarações do petista em Salvador, onde inicia caravana pelo Nordeste para alavancar sua pré-candidatura à presidência.
Na Bahia, Lula se comparou ao argentino Lionel Messi, cinco vezes eleito o melhor do mundo, afirmando que o tucano ataca quem quem está na frente das pesquisas -no caso, o ex-presidente. "O Lula me atacou e disse que é o Messi. Pois então Lula, eu te digo que eu prefiro ser o Neymar, que é brasileiro e negro, Lula. Essa é a minha escolha", disse Doria no início da tarde desta sexta, em evento que participou em Fortaleza com a presença de líderes empresariais do Ceará.

Doria x Lula
Pouco antes, Doria já havia chamado Lula de "sem-vergonha, mentiroso, preguiçoso e covarde" por críticas que diz ter recebido do ex-presidente, entre eles o fato de estar viajando muito. Somente em agosto Doria já esteve em três capitais do Nordeste, Salvador, Natal e Fortaleza, e ainda nesta sexta visita uma quarta, Recife. 

"[Lula] vai perder"
"Aviso ao Lula que ele pode se candidatar porque vai perder de quem estiver como candidato. Ele já disse que sou um nada, pois o nada derrotou o PT em São Paulo", afirmou Doria, quase aos gritos à plateia de empresários que assistia e aplaudia - em pelos menos dois momentos foi chamado de presidente por integrantes da plateia.
Doria rejeitou que suas viagens tenham caráter de pré-candidatura à presidência em 2018. "Se me provarem que um CEO não consegue gerir sua empresa viajando, eu paro de viajar na hora. Confiando na sua equipe, delegando, você gere com eficiência", disse aos empresários.

Doria reafirma que não é presidenciável
Mais tarde, em conversa com os jornalistas, Doria reafirmou que não se apresenta como postulante ao posto de candidato do PSDB à presidência no ano que vem. Ele disse isso ao lado do presidente interino do partido, o senador cearense Tasso Jereissati, que mais cedo havia colocado o prefeito de São Paulo como um dos bons nomes do partido para a disputa presidencial.
"Eu não sou candidato, e não cabe a mim apontar bons nomes porque não sou da executiva do PSDB. Sou o prefeito de São Paulo", disse Doria, que tem como padrinho político o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que também pretende ser o candidato do PSDB na eleição presidencial do ano que vem.

Folhapress
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe