Trabalhadores em situação análoga à escravidão são resgatados em Acaraú

Três trabalhadores foram resgatados de situação análoga à escravidão em Celsolândia, distrito no município de Acaraú. A operação foi realizada entre os dias 14 a 25 de agosto pelo Grupo Especial de Fiscalização Móvel (GEFM), envolvendo o Ministério do Trabalho (MTB), Ministério Público do Trabalho (MPT), Defensoria Pública da União (DPU) e a Polícia Federal. 
De acordo com o relato da auditora-fiscal Gislene Stacholski, responsável pela operação, os três homens trabalhavam há 8 dias na moagem de folhas de carnaúba e na extração do pó para fabricação de cera. Os empregados não dispunham de local para realizar as refeições e não havia instalações sanitárias adequadas para as necessidades fisiológicas e higiene pessoais. 
Além disso, os moedores de palha eram obrigados a pernoitar no trabalho sem dormitório apropriado. Dessa forma, dormiam no baú de um velho caminhão e ainda  dividiam o pequeno espaço com um máquina de moagem, galões de água e pertences pessoais.  O interior do veículo estava infestado de pó e resíduo de palha,  =a ventilação era precária e não tinha isolamento térmico, situação que expunha os obreiros a temperaturas extremas de calor durante o dia e de frio à noite.
Os empregadores foram notificados a pagar rescisões no valor bruto de R$ 9.963,32 e indenização de R$ 15 mil aos trabalhadores por dano moral. No total, cada trabalhador ganhou cerca de R$ 8.322,00. 
Os auditores-fiscais lavraram 19 autos de infração, entre eles manter empregado trabalhando sob condições contrárias às disposições de proteção do trabalho reduzido à condição análoga à de escravo; deixar de registrar em Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) em 48 horas contadas do início da prestação do serviço; efetuar o pagamento do salário;  não disponibilizar abrigos aos trabalhadores de intempéries durante as refeições e as pernoites e não fornecer equipamento proteção individual.

Itarema 
Em outra fiscalização, no município de Itarema, o GEFM encontrou apenas irregularidades trabalhistas, como falta de registros dentro do prazo estabelecido em lei, e falta de equipamentos de proteção individual. Nessa operação, foram alcançados 27 empregados dos quais 25 não tinham registros em carteira de trabalho.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe