Ceará registra mais de 110 mil casos e 99 mortes por chikungunya, dengue e zika

O Ceará permanece em alerta absoluto no combate aos mosquito Aedes aegypti, transmissor de três arboviroses. De acordo com dados da Secretaria de Saúde do Estado (Sesa), entre janeiro e 16 de setembro, já são 88,7 mil casos de chikungunya, com 87 óbitos; 22,1 mil casos de dengue, com 12 óbitos; e 274 casos de zika.
Por essa razão, a Campanha "Todos contra o Mosquito" avança nas ações desenvolvidas. Entre elas, 26 técnicos da Vigilância Epidemiológica da Sesa, das Coordenadorias Regionais de Saúde (CRES) e do município de Fortaleza, além de cinco alunas do programa de pós-graduação em Saúde Pública da Universidade Federal do Ceará (UFC) iniciaram na segunda-feira (25), o Curso de Análise de Dados Epidemiológicos das Arboviroses, que prossegue até sexta-feira (29). O curso objetiva capacitar os técnicos da vigilância epidemiológica para a análise e monitoramento do cenário epidemiológico da dengue, chikungunya e zika no Estado.
O curso aborda as ferramentas disponíveis para a análise precisa, rápida e confiável dos bancos de dados, de forma a melhorar a qualidade da análise dos dados e otimizar as ações de vigilância. Os participantes conhecerão sobre a vigilância laboratorial das arboviroses, aspectos clínicos das doenças, epidemiologia de campo, sistemas de informação, como construir, atualizar e monitorar o Diagrama de Vigilância e Controle de Dengue, como monitorar as ferramentas do Plano de Vigilância e Controle das Arboviroses, como preparar relatórios técnicos sobre a situação epidemiológica dos municípios e como construir e monitorar os indicadores do Painel de Indicadores.
No dia 12 de junho desse ano, o Governo do Ceará realizou o Lançamento de Ações Estratégicas de Combate ao mosquito Aedes aegypti. Para participar do rateio do incentivo de R$ 10 milhões, os municípios deverão cumprir, até dezembro deste ano, seis critérios estabelecidos no Termo de Compromisso assinado pelo governador Camilo Santana e pelo secretário da Saúde, Henrique Javi. Entre os critérios estão a instituição do comitê municipal de combate ao mosquito, cobertura mínima da visita domiciliar de 80% dos imóveis do município nos ciclos 4, 5 e 6 e apresentar até dezembro deste ano o Plano Municipal de Ação de Vigilância e Controle das Arboviroses para 2018.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe