Arrecadação bilionária do Sistema S entra na mira do Congresso Nacional

O senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), relator de receitas do projeto de Lei Orçamentária Anual de 2018, quer incluir em seu relatório a previsão de que a verba repassada pelo governo, para o Sistema S (Sesc, Senac, Senai e Sebrae), contabilizada no Orçamento.
O objetivo é dar mais transparência à aplicação do dinheiro, que é recolhido pelas empresas, num montante que varia de 0,2% a 2,5% sobre a folha de pagamentos, para bancar atividades de qualificação de mão de obra, desenvolvimento de microempresários e proporcionar atividades de laer e saúde.
Neste ano, entre janeiro e setembro, o Fisco recolheu R$ 12,8 bilhões e repassou ao Sistema S. Ao incluir essa informação no Orçamento, será possível saber quanto cada entidade receberá e como cada uma pretende gastar esses recursos. A medida vai facilitar a fiscalização pelos órgãos de controle, como o Tribunal de Contas da União (TCU).
Para o senador Ataídes Oliveira, muitas das entidades do Sistema S acabam atuando em mercados como o financeiro e o imobiliário, e até fazendo valores políticos ou bancando campanhas.
Leia a reportagem completa na edição deste sábado do Estado de S. Paulo.
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe