Ciro e Camilo alinham discursos na convenção

O pré-candidato à Presidência da República, Ciro Gomes (PDT), e o governador do Estado, Camilo Santana (PT), demonstraram alinhamento nos discursos, durante a convenção conjunta do Partido Democrático Trabalhista, em Fortaleza. Ciro fez ataques a "espertalhões, que já deveriam ter se aposentado da política e exploram a boa fé" do chefe do Poder Executivo estadual. O petista ressaltou que ele será "um dos grandes responsáveis por construir uma plataforma de mais desenvolvimento e justiça social" para o Brasil.
Ainda que todos os pedetistas presentes tenham firmado compromisso com uma candidatura de Camilo à reeleição no próximo ano, o governador não deixou claro, qual seria seu posicionamento quanto à uma disputa em nível federal. Membros do PDT defenderam o nome de Ciro Gomes para a Presidência. Já os aliados de Camilo apostam no nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Tanto Camilo Santana quanto Ciro iniciaram seus discursos tratando das crises econômica, política e social que passa o Brasil, salientando que o Ceará, apesar de dificuldades em algumas áreas, como a Segurança, por exemplo, tem se destacado no cenário nacional. "Vivemos um momento de crise institucional em nosso País. Talvez a maior crise econômica que o Brasil já enfrentou. E no Ceará, além disso, uma grande crise hídrica. E isso tem nos colocado a necessidade de planejar um novo programa e pensar novos avanços para o Estado", disse Camilo.
Ainda em seu discurso, Camilo teceu diversos elogios ao presidenciável, destacando a possibilidade de o aliado ser um dos responsáveis pela construção de uma plataforma de desenvolvimento no País. "Eu não tenho dúvida, Ciro, que você é um dos grandes responsáveis para construir uma plataforma de desenvolvimento, de mais justiça social, garantindo direitos conquistados pelo povo brasileiro e pelos trabalhadores. Mas é preciso avançar. E, portanto, eu não tenho dúvida da grande importância, hoje, do companheiro Ciro Gomes, na construção de um novo projeto para nosso País".

"Estamos juntos"
Segundo ele, o alinhamento entre o Governo petista e a sigla pedetista tem feito do Ceará um Estado equilibrado e o que mais investe no País. "Isso é resultado das políticas sérias comprometidas que foram iniciadas pelo nosso governador Cid Gomes. Nossa palavra é de reconhecimento. Estamos juntos para continuar construindo esse projeto de sucesso com todos os desafios em que se encontra o Ceará. Estamos construindo uma nova plataforma para o Estado, que vai gerar mais oportunidades e justiça social para os que mais precisam", apontou o governador.
Já Ciro Gomes, mais comedido do que de costume, teceu diversos elogios ao aliado e disparou críticas indiretas a adversários políticos. Ele iniciou seu pronunciamento dando conta dos quase 14 milhões de desempregados que o País tem hoje, assim como aqueles que são "empurrados" para a economia formal. Segundo ele, a violência tem matado jovens, negros e está sendo comandada de dentro de presídios por facções que surgiram no Estado de São Paulo atualmente comandam territórios em diversas partes do País, inclusive, no Ceará.

Diálogo
"É dura a vida de uma sociedade que pega ônibus de madrugada com medo de perder o emprego. Ao olhar para a política, ela liga a televisão e percebe a roubalheira, a ladroeira, a corrupção encastelada. Não é da periferia que vem os maus exemplos, e pela primeira vez no Brasil, em 500 anos, um presidente da República é acusado pelo Ministério Público de corrupção ativa, de roubar", apontou. Para Ciro Gomes, no entanto, a única saída só se dá através da política e da participação popular em atos políticos. Ele disse ainda que é preciso que os cearenses deem nova oportunidade de gestão a Camilo Santana para que ele aperfeiçoe sua obra e introduza novos projetos e ideias.
"A capacidade de diálogo de Camilo é tão generosa que até espertalhões da política, que já deviam se aposentar, exploram a boa fé para planejar traí-lo pelas costas. Mas antes de chegar esse punhal, estaremos ao seu redor, não duvide disso", disse.
Ele disse que Camilo planeja "programas extraordinários", e que mesmo o Ceará sendo um dos estados mais pobres do Brasil, "graças ao não roubar e ao não deixar roubar do Camilo Santana" é um dos mais sadios. "Não é possível fazer milagre com facção vinda de São Paulo, comandando crime mesmo presa dentro de presídios. Mas não se resolve isso com violência, nem com discurso demagógico desses que chegam ao Brasil e ao Ceará como frieira dentro de matéria podre", apontou.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe