Empresárias são presas por crimes de extorsão, denunciação caluniosa e falsidade ideológica

Três empresárias foram presas, nesta quinta-feira (5), na segunda fase da operação "A Profecia", deflagrada nas cidades de Jaguaribe e Fortaleza. A medida foi tomada preventivamente pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) e pela Polícia Civil para o cumprimento de mandados de prisão e de busca e apreensão de documentos relacionados a práticas criminosas. 
As empresárias são Monita Diógenes de Queiroz, Rebeca Diógenes de Queiroz e Brena Juliane Diógenes Dias - todas da mesma família - proprietárias da Madeireira Sertaneja, localizada na cidade de Jaguaribe.
Material que comprova ameaças a policiais civis que estiveram envolvidos em investigações dos crimes cometidos pela organização criminosa foi apreendido durante a operação.
Entre outros documentos, também foram apreendidas alterações contratuais e extinção de empresas logo após as investigações da operação terem se iniciado. Cerca de 30 policiais civis, oito delegados e dois promotores estiveram presentes na segunda fase da operação.
"A Profecia" se iniciou em março deste ano, quando foi cumprido um mandado de busca e apreensão na Madeireira Sertaneja. As investigações tentam apurar a prática de crimes de extorsão, denunciação caluniosa e falsidade ideológica pelas empresárias.

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe