Publicidade

Governador de Minas Gerais visita o Ceará para conhecer políticas de educação do Estado

O modelo de educação do Ceará vem ultrapassando um estado com histórico de pobreza, mas que tem muito o que ensinar. E essa experiência educacional, que perpassa projetos como Escola de Ensino Médio de Tempo Integral, Enem – Chego Junto, Chego Bem e o Programa de Alfabetização na Idade Certa (Mais Paic), por exemplo, chamou a atenção do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, que administra um dos estados mais ricos do País. Nesta sexta-feira (6), após reunião no Palácio da Abolição, o gestor mineiro e o governador Camilo Santana visitaram a Escola Estadual de Educação Profissional (EEEP) Jaime Alencar de Oliveira, no bairro Luciano Cavalcante – unidade que integra a rede de 189 escolas estaduais que funcionam em Tempo Integral.
No encontro que antecedeu a visita, o governador Camilo Santana, juntamente com o secretário da Educação, Idilvan Alencar, e a vice-governadora Izolda Cela, apresentou o leque de programas voltados para o campo educacional do Estado, incluindo os resultados do ingresso de alunos da rede pública no Ensino Superior, além do Programa Bolsa Universitário (AvanCE). A reunião foi realizada um dia depois do chefe do Executivo inaugurar mais uma Escola de Ensino Médio de Tempo Integral (EEMTI), em Cascavel.
Durante a visita, Camilo Santana apresentou, acompanhado de um aluno da unidade, Carlos Silva, 16, os equipamentos que o prédio dispõem. Ele afirmou estar feliz em compartilhar essa experiência. “Temos procurado repartir esta experiência (educacional) do Ceará com os outros estados do Brasil, e sempre levamos esta discussão aos fóruns de governadores, mostrando que é possível investir na educação e garantir o futuro dos nossos jovens. Fico feliz com a visita e reitero que temos experiências importantes para compartilhar com o estado de Minas Gerais”, dividiu.
Fernando Pimentel agradeceu a receptividade do governador do Ceará e confirmou a importância de trocar conhecimentos, principalmente no que que se refere à política de educação. “O Ceará é um exemplo para o País de como é possível investir em educação e apresentar resultados satisfatórios. Vamos levar para Minas tudo o que for possível e tenho certeza de que vamos contar com o apoio com o Governo do Ceará”, destacou Pimentel.

Desenho pedagógico
A diretora da EEEP Jaime Alencar, Christiane Cruz, avalia que o formato adotado por uma unidade de Educação Profissional em Tempo Integral é o sonho de qualquer professor que acredita na juventude. “Tenho 26 anos como professora da rede pública. E, desde 2008, eu vejo o Governo do Ceará realizar o que é sonho de todo professor: um formato do desenho pedagógico de uma escola que converse com o mundo do trabalho, projeto de vida e carreira”, disse.
E os resultados não poderiam ser outros. Dos mais de 300 alunos já formados pela escola, desde sua inauguração, em 2013, “51% estão hoje no Ensino Superior e 36%, no mercado de trabalho”, contabilizou a diretora. A unidade visitada atende, atualmente, mais de 500 alunos, e oferta cursos como Eletromecânica, Informática, Multimídia, Produção de Áudio e Vídeo e Desenho da Construção Civil.
A estudante Bianca Gurgel, de 17 anos, por exemplo, confirma o potencial da escola como agente ativo de transformação. Para ela, estar em uma Escola Profissional garante oportunidades que, “em outro lugar, não teria”. “Assim que eu sair daqui, eu vou ter um diferencial, que é o Curso Profissional de Áudio e Vídeo. E com isso, eu sei que vou estar à frente dos estudantes que saem somente com o Ensino Médio”, comparou.
“A minha escola ser um exemplo mostra os investimentos que estão sendo feitos (na educação). Se um estado pobre (como o Ceará) está sendo modelo para outras cidades, então acho que isso é muito mais que gratificante”, analisou Carlos, estudante do 1º ano que guiou os governadores pela escola.

Escolas de Ensino Médio e Profissional
Uma EEEP integra o Ensino Médio com a Educação Profissional, com duração de três anos, com funcionamento diário, das 7h às 17h. Dessa forma, os alunos aprendem uma profissão ao mesmo tempo em que fazem os três últimos anos da educação básica. São 53 opções de cursos.
Já as Escolas de Ensino Médio trabalham com uma jornada de nove horas, garantindo três refeições diárias. O currículo é composto por 30 horas semanais de disciplinas da base comum a todos e 15 horas na parte flexível, sendo que 10 são escolhidas pelos alunos.
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe