Gasolina sobe e volta a superar a casa dos R$ 4

O vai e vem dos preços dos combustíveis, com a nova política de preços da Petrobras, gera dificuldade para o consumidor acompanhar as alterações nas bombas. Ontem, entretanto, a mudança foi perceptível uma vez que o valor da gasolina comum voltou a um patamar superior a R$ 4. Em alguns casos, a alta verificada chegou a até 6,61%, considerando o preço médio do litro do combustível encontrado em Fortaleza até um dia antes, da ordem de R$ 3,90. A comparação tem como referência o valor máximo de R$ 4,19 cobrado ontem em postos da cidade, mas ainda havia pontos em que se podia abastecer por R$ 3,99.
A nova política de revisão de preços da Petrobras, em vigor desde 30 de junho deste ano, liberou um aumento de 0,90% para o dia 2 de novembro. A nova dinâmica afirma fazer com que a companhia possa acompanhar as condições do mercado e enfrentar a concorrência de importadores. Isso porque avalia, além da concorrência, as informações sobre o câmbio e as cotações internacionais. Procurado pela reportagem, o Sindipostos, que representa os postos de combustível no Ceará, informou que ainda não tem um posicionamento sobre a virada de preços feita nos últimos dois dias pelos estabelecimentos. O valor de R$ 4,19 encontrado nessa quinta-feira (2) em Fortaleza superou o preço máximo verificado no Estado pela pesquisa da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
Entre 22 e 28 de outubro, fiscais da ANP conferiram os preços de 140 postos de combustíveis no Ceará - a segunda maior quantidade dentre todos os estados do Nordeste. No levantamento, eles constataram que o Ceará registrava o terceiro preço médio mais caro preço de toda Região: R$ 3,93.
O menor valor cobrado para o litro da gasolina no Nordeste, no intervalo no qual foi feita a pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, estava no Maranhão, onde o combustível era vendido nas bombas por R$ 3,64.Em seguida, entre os mais conta da Região, conforme o levantamento, estão Piauí (R$ 3,70) e Pernambuco (R$ 3,72).

Diário do Nordeste
    Comente pelo Disqus
    Comente pelo Facebook
#Compartilhe