Chacina das Cajazeiras: não foi um caso isolado

De todas as respostas possíveis que um agente público poderia dar para a chacina das Cajazeiras, na madrugada deste sábado, a pior é certamente a de que o massacre foi um evento isolado e similar a atentados terroristas, como os praticados pelo Estado Islâmico.
Mas foi exatamente o que o titular da SSPDS, André Costa, fez. Em coletiva, o delegado afirmou: "No mundo todo há eventos que matam pessoas em boates". É uma declaração infeliz pela banalidade com que pretende fazer passar o assassinato de que quase duas dezenas de pessoas. Mas não apenas.
O discurso de Costa é a extrapolação de um argumento, corriqueiro e já sem crédito, segundo o qual o crescimento vertiginoso no número de homicídios no Estado deve-se unicamente a um fenômeno nacional. Não é exclusividade do Ceará. Agora, o secretário foi além, ampliando nossas fronteiras. Não se trata mais do Brasil, mas do mundo. Estamos em par com EUA ou França, que não nos fazem mais inveja com os seus "lobos solitários" que explodem casas de shows ou invadem sedes de jornais, matando dezenas de pessoas e ferindo centenas. Temos um terrorismo para chamar de nosso. Um radicalismo made in Ceará.
Claro que tudo isso é falacioso, e a ação que resultou nas 16 mortes pode ser qualquer coisa, menos pontual. Tampouco foi planejada e executada a pretexto único de espalhar o terror entre os cearenses. Às facções interessa menos o medo em si do que a manutenção do controle sobre largas faixas do território local, de modo a garantir o funcionamento das engrenagens do tráfico. A fala de Costa é mais desculpa política a dar num momento grave do que uma resposta que se possa levar a sério.
É, por essa razão, muito parecida com a que o próprio Estado deu não faz tanto tempo, quando os índices de homicídio haviam despencado e os gestores negavam que essa queda pudesse ter relação com suposto acordo entre os bandidos. Hoje se sabe que era precisamente isso, e não a eficiência das políticas de segurança.
Se há algo de internacional na chacina das Cajazeiras, não é o fato de os atiradores terem disparado a esmo, mas a sua repercussão. Hoje, todos os grandes jornais do planeta se referiram ao massacre no Ceará. Está nas manchetes dos portais de "La Nación", "Post", "New York Times", "Independent" e "El País". Somos notícia, mas pelas razões erradas.
Ironia que tudo isso tenha se dado no exato instante em que o Governo se empenha na melhora da imagem do Estado no exterior, sobretudo depois do anúncio do hub e de outros investimentos no setor de aviação civil. Quanto mais desejamos projetar a fama de lugar de praias bonitas e gente hospitaleira, acentuando nossos predicados como destino turístico, mais uma outra falência (a da segurança) bate à nossa porta.
Henrique Araújo é jornalista do O POVO

Postar um comentário

A Voz de Santa Quitéria é uma ferramenta de informação que tem como características primordiais, a imparcialidade e o respeito a liberdade de expressão.
Contudo, em virtude da grande quantidade de comentários anônimos postados por pessoas que se utilizam do anonimato muitas vezes para ferir a honra e a dignidade de outras, a opção "Anônimo" foi desativada.
Agradecemos a compreensão de todos, disponibilizando desde já um endereço de email para quem tiver interesse em enviar sugestões de matérias, críticas ou elogios: avozdesantaquiteria@outlook.com.

Cordialmente,
Departamento de jornalismo

[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget