Secretário de Segurança propõe ação do governo federal para o combate à violência

O secretário de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), André Costa, comentou em postagem de rede social, neste domingo (14), a proposta de intervenção federal no Ceará para atuar na questão da segurança pública. Ao criticar a ideia, ele ressaltou que é papel constitucional do Governo Federal atuar na área de segurança em todos os Estados da União.
O secretário explicou na postagem que a "intervenção federal" necessária não seria assumir o papel dos Estados, mas atuar em frentes específicas como investir na Polícia Federal, nas Polícias Civis, na Polícia Rodoviária Federal (PRF) e nas Forças Armadas, ter um plano nacional de segurança pública e cuidar das fronteiras secas e molhadas.
“O debate da questão da segurança precisa ser feito com responsabilidade, seriedade e transparência. Não há soluções mágicas ou mirabolantes. É um processo gradual e que precisa ser feito a muitas mãos”, afirmou na postagem. 
André Costa ainda listou sete pontos que integram as responsabilidades do Governo Federal na área de segurança:
  1. ter um plano nacional de segurança pública, inclusive prevendo fontes de custeio e investimento para a segurança dos Estados, a exemplo do que existe para a educação e a saúde;
  2. cuidar das fronteiras secas e molhadas, investindo mais nas Forças Armadas e na Polícia Federal;
  3. investir na Polícia Federal e nas Polícias Civis para que estas possam combater as facções criminosas que atuam em todos os Estados do País;
  4. investir na PRF, para evitar que as drogas e armas que passem pelas fronteiras cheguem ao Ceará e aos demais Estados, pois quase tudo vem por vias terrestres;
  5. uniformizar estatísticas (para sabermos a situação real de cada Estado, sem mascaramento de dados), telecomunicações, armamentos, viaturas, formação e treinamento continuado, dentre outras questões;
  6. cobrar a participação de empresas em áreas que resolverão em definitivo problemas de segurança pública (por exemplo, empresas de telefonia bloqueando sinais de celulares nos presídios de todo o País; e bancos, obrigando a instalação de dispositivos que destruam cédulas de caixas eletrônicos em caso de violação);
  7. financie projetos de prevenção social junto aos municípios, priorizando os que possuem maiores problemas de violência (urbanização, educação em tempo integral, oportunidades de estágios e empregos, projetos culturais, esportivos e de lazer, dentre tantos outros).
Na última sexta-feira (12), a SSPDS divulgou os dados relativos aos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI), correspondentes a homicídios e latrocínios. No Ceará, o número de CVLI aumentou 50% em relação a 2016. Foram 5.134 casos em 2017 contra 3.407 no ano anterior.

Diário do Nordeste
Cadernos:

Postar um comentário

A Voz de Santa Quitéria é uma ferramenta de informação que tem como características primordiais, a imparcialidade e o respeito a liberdade de expressão.
Contudo, em virtude da grande quantidade de comentários anônimos postados por pessoas que se utilizam do anonimato muitas vezes para ferir a honra e a dignidade de outras, a opção "Anônimo" foi desativada.
Agradecemos a compreensão de todos, disponibilizando desde já um endereço de email para quem tiver interesse em enviar sugestões de matérias, críticas ou elogios: avozdesantaquiteria@outlook.com.

Cordialmente,
Departamento de jornalismo

[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget