Existe uma moto para cada sete pessoas no Ceará

A frota de motocicletas cresceu 210% nos últimos dez anos no Ceará, segundo o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE). Em 2007, 426.1 mil circulavam no Estado. Em dezembro de 2017, esse número pulou para 1.320 milhão. Enquanto que, no mesmo período, o número de habitantes registrou aumento de 10%, passando de 8.185 milhões para 9.022 milhões, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso significa que, para cada grupo de sete pessoas, existe uma moto registrada no Órgão. Essa relação já foi de 19 para uma.
As motos já representam 43,13% do total da frota no Estado. Em 2007, eram 37%. Em Fortaleza, esse avanço também é observado. Há dez anos, o total desse modal era de 93,9 mil unidades e hoje já somam 283.8 mil, um aumento de 202%. A Capital tem uma moto para cada nove pessoas. Antes eram 26 para cada modal do tipo, quando, pela estimativa do IBGE, eram 2.431 milhões de habitantes.
Esse crescimento é avaliado com preocupação por parte das gestões estadual e municipal, além dos especialistas em engenharia de trânsito. Isso tanto pelo número de acidentes envolvendo motos com mortes ou com sequelas, como pela forma arriscada como muitos circulam, sem o uso do equipamento de segurança como capacetes ou calçado apropriado.
Para o superintendente da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), Arcelino Lima, a questão é sim preocupante e de difícil resolução. A conduta de muitos motociclistas é irregular, aponta, eles burlam a fiscalização eletrônica chegando a deitar no veículo em movimento para tapar a placa com o pé ou pedir para a pessoa da garupa colocar a mão para passar no sinal vermelho ou avançar a faixa de pedestres. "É complicado, pois a Lei não permite que ele ande de chinela, mas não obriga o uso de calçado fechado e, em muitos acidentes, são muitas as lesões no pé, como queimaduras ou até a necessidade de amputação. A ideia é provocar a mudança na Lei em discussão nacional", informa.
Arcelino esclarece que a AMC reforçou a fiscalização, assim como as blitze educativas exclusivas para o condutor desse modal, sempre orientando para o uso do capacete que deve estar afivelado. Segundo ele, paralelo a isso, o investimento na melhoria do transporte público também visa reconquistar o usuário. Uma meta para este ano é a instalação de uma pista de treinamento para os condutores do modal como forma de capacitar e educar. "Além disso, temos as faixas de retenção, ação que já tem bons resultados e diminui o conflito com os motoristas de automóveis", diz.
Para o professor do Departamento de Engenharia de Trânsito da Universidade Federal do Ceará (UFC), Mário Azevedo, mais do que contar a frota, é necessária uma fiscalização muito mais forte, tendo como exigências principais, a carteira de habilitação categoria A e uso dos equipamentos de segurança. "No Interior, é muito comum observar a pessoa pilotando o veículo descalço, sem habilitação, sem capacete. Se a regra número um é descumprida, como a obrigatoriedade da carteira, na cabeça dessa pessoa, tudo é possível, colocando a sua vida e a de outros em risco", analisa.
Para ele, se a fiscalização de motociclistas no Interior conta com o apoio da Polícia Rodoviária Estadual (PRE), ela só poderá ser eficaz quando todos os municípios tiverem as próprias autarquias de trânsito.
O Detran salienta que um dos principais projetos implantados pelo órgão com foco em Educação para o Trânsito tem sido a Formação, Educação, Qualificação e Habilitação Profissional de Condutores por meio do programa de CNH Popular, que já beneficiou mais de 200 mil pessoas em mais de 160 municípios.
A Seguradora Líder, administradora do DPVAT, alerta que a motocicleta foi o veículo com o maior número de indenizações de janeiro a novembro de 2017. Apesar de representar apenas 27% da frota nacional, concentrou 74% das indenizações. Daquelas pagas no período para acidentes com motocicletas, 79% foram para invalidez permanente e 7% para morte. As vítimas de acidentes com motocicletas são, em maioria, jovens em idade economicamente ativa.

Diário do Nordeste
Cadernos:

Postar um comentário

A Voz de Santa Quitéria é uma ferramenta de informação que tem como características primordiais, a imparcialidade e o respeito a liberdade de expressão.
Contudo, em virtude da grande quantidade de comentários anônimos postados por pessoas que se utilizam do anonimato muitas vezes para ferir a honra e a dignidade de outras, a opção "Anônimo" foi desativada.
Agradecemos a compreensão de todos, disponibilizando desde já um endereço de email para quem tiver interesse em enviar sugestões de matérias, críticas ou elogios: avozdesantaquiteria@outlook.com.

Cordialmente,
Departamento de jornalismo

[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget