Após três meses no Ceará, Força-Tarefa da PF e FNS não freou a matança das facções

Quase três meses após desembarcar em Fortaleza com a missão de ajudar as autoridades locais a dar um freio na violência sem controle que domina o estado, a Força-Tarefa enviada ao Ceará pelo presidente da República, Michel Temer (MDB), não revelou, ainda, o que fez até agora.  Da data do desembarque (dia 19 de fevereiro) até hoje, as estatísticas da criminalidade só aumentaram e nesta terça-feira a taxa de Crimes Violentos, Letais e Intencionais (CVLIs), em quatro meses e sete dias de 2018, alcançou o número 1.801.
Composta por 36 integrantes, sendo 26 da Polícia Federal (PF), e 10 da Força Nacional de Segurança (FNS), a Força-Tarefa foi recebida pelo governo estadual como uma esperança de que o trabalho de investigação reduzisse os assassinatos no estado. Não aconteceu. De fevereiro até agora aumentaram os crimes de morte (homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte, assassinatos nos presídios e óbitos por intervenção policial. Também sofreram elevação os registros de ataques a bancos e carros-fortes.
E nas ruas da Grande Fortaleza (Capital e Região Metropolitana) e no Interior do estado prossegue sem controle a matança de pessoas por conta da “guerra” entre as facções  criminosas Guardiões do Estado (GDE) e Comando Vermelho (CV). Somente em sete dias do mês de maio em curso, o Ceará registrou 75 assassinatos (29 na Capital, 19 na RMF, 17 no Interior Norte e mais 10 no Interior Sul).

PCC
O envio da Força-Tarefa ao ceará foi determinado pelo presidente da República a pedido pessoal do governador do estado, que foi a Brasília pedir “socorro” diante da situação calamitosa e sem controle da violência no estado. Naquele período, o estado virou manchete na mídia nacional após o assassinato de dois dos principais membros da facção criminosa paulista Primeiro Comando da Capital (PCC). Com os holofotes todos virados para o Ceará, a imagem do estado foi mais uma vez arranhada e o gestor pediu a intervenção de uma força-tarefa.
A equipe se instalou na Sede da Secretaria da Segurança Pública e da Defesa Social (SSPDS) para fazer uma análise seletiva dos milhares de assassinatos no estado, com foco para aqueles decorrentes da “guerra” entre as facções e do crime organizado nacional que aqui se instalaram.  O trabalho passou a ser silencioso e meticuloso, gerando algumas operações pontuais que, apesar de identificar as lideranças dos grupos criminosos, não impediu que a violência continuasse sem freio no Ceará.
Hoje, com exatos 1.801 assassinatos, entre os dias 1º de janeiro e 7 de maio, o Ceará segue célere para bater mais um recorde de CVLIs até o fim do ano, superando os 5.144 crimes de morte de 2017.

Fernando Ribeiro
Cadernos:

Postar um comentário

A Voz de Santa Quitéria é uma ferramenta de informação que tem como características primordiais, a imparcialidade e o respeito a liberdade de expressão.
Contudo, em virtude da grande quantidade de comentários anônimos postados por pessoas que se utilizam do anonimato muitas vezes para ferir a honra e a dignidade de outras, a opção "Anônimo" foi desativada.
Agradecemos a compreensão de todos, disponibilizando desde já um endereço de email para quem tiver interesse em enviar sugestões de matérias, críticas ou elogios: avozdesantaquiteria@outlook.com.

Cordialmente,
Departamento de jornalismo

[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget