Acusado de acobertar abusos, Papa Francisco não irá renunciar

Após ser acusado pelo arcebispo italiano Carlo Maria Viganò, um ex-núncio apostólico em Washington, de acobertar abusos sexuais cometidos pelo cardeal Theodore McCarrick, o papa Francisco disse estar "triste" pela denúncia, mas "não pensa em renunciar" ao cargo. A declaração foi divulgada nesta terça-feira (28) à ANSA por fontes próximas ao líder da Igreja Católica.

No último fim de semana, Viganò revelou uma carta de 11 páginas na qual alega que Francisco acobertou diversas denúncias de abusos sexuais cometidos por McCarrick, além de pedir a renúncia do Pontífice.

"Eu acho que Viganò quer limitar os dias deste Papa, ou pelo menos neutralizar a voz", explicou o arcebispo norte-americano, Joseph Tobin. Além de Tobin, outros vaticanistas também acreditam que o documento tem o objetivo de atingir a reputação de Jorge Mario Bergoglio, alvo de críticas pela ala conservadora da cúria. O arcebispo italiano é conhecido por "exterminador de Papas" dentro do Vaticano e por ter cultivado desavenças foi transferido para os Estados Unidos. "Ele tem feito um serviço para os católicos", disse o advogado Timothy Busch, membro do conselho que dirige o "National Catholic Register", que revelou a carta de Viganò

Acusação

Viganò diz que Francisco sabia, desde o início do seu Pontificado, que McCarrick era denunciado por abusos sexuais, mas permitiu que o sacerdote continuasse atuando. O prelado de 88 anos foi retirado do colégio cardinalício em julho, após ser acusado de violentar um adolescente há 45 anos, quando era padre em Nova York, e de foçar relações sexuais com seminaristas.

Viganò diz que alertou pessoalmente Francisco, logo após ele tomar posse, sobre a conduta de McCarrick. "O Papa não fez o menor comentário sobre aquelas graves palavras minhas e não mostrou qualquer expressão de surpresa em seu rosto, como se ele já soubesse do caso, mudando imediatamente de assunto", contou Viganò na carta de 11 páginas.

Resposta do Papa

A denúncia contra Francisco vem em um momento em que o Papa pede desculpas públicas pelos casos de pedofilia na Igreja. No fim de semana, Bergoglio esteve na Irlanda, país com um dos maiores escândalos de abusos, e afirmou que os crimes são uma "praga" que desafia a comunidade católica.

O Papa argentino não quis comentar a denúncia de Viganò e limitou-se a dizer que a "carta fala por si só". "Li nesta manhã esse comunicado. Digo sinceramente: leiam vocês atentamente aquele comunicado e façam o julgamento de vocês. Não direi uma palavra sobre isso. Acho que o comunicado fala por si, e vocês têm capacidade jornalística suficiente para tirar conclusões", declarou o Pontífice a jornalistas durante sua viagem de volta entre Dublin e Roma. 

ANSA
Cadernos:
[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget