Indústrias investem R$ 1,6 bi e criam 6,6 mil empregos no CE

A Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) estimulou, através da administração de incentivos e benefícios fiscais, investimentos de 17 empresas no Ceará de janeiro a agosto deste ano. Em contrapartida aos benefícios abatidos no imposto de renda, as companhias contempladas investiram R$ 1,6 bilhão no Estado neste período, criando 6,6 mil postos de trabalho.
Entre os setores atendidos pela Sudene estão os de infraestrutura, alimentos, têxtil, calçados, transportes, telecomunicações, eletroeletrônico, petroquímico, entre outros.
De acordo com o coordenador-geral de Incentivos e Benefícios Fiscais e Financeiros da Sudene, Silvio Carlos do Amaral, os incentivos fiscais são necessários principalmente para atrair mais investimentos robustos para o Nordeste. "Esses recursos ficam nas empresas para que elas os utilizem na modernização e expansão dos negócios. Esses incentivos contribuem para desenvolver empresas na Região. É papel do governo auxiliar na redução das desigualdades regionais porque o Nordeste sofre com essa carência de infraestrutura. Eu tendo um incentivo eu tenho condições de atrair mais empresas para cá", explica.

Estímulo
Os incentivos são relativos à redução de 75% do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) de empresas estabelecidas. "É um trabalho que tem dado certo ao longo dos anos. Toda a área de atuação da Sudene, entre os anos de 2013 a 2017, conseguiu gerar com essas empresas investimentos da ordem de R$ 190 bilhões neste período", acrescenta. Segundo ele, foram 1,8 mil empreendimentos aprovados pelo órgão e geração de 800 mil empregos na Região.
"No que diz respeito aos incentivos, se houver um cenário econômico estável, a tendência é de crescimento. Se a economia começar a deslanchar, a gente vai poder ver muitas empresas sendo incentivadas e podendo investir no Nordeste", observa.

Comparativo
De janeiro a agosto do ano passado, as empresas que obtiveram esses incentivos investiram mais de R$ 13,6 bilhões, montante 88,2% maior do que no mesmo período de 2018. A explicação, de acordo com a Sudene, é relativa ao aporte bilionário feito pela Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), considerado atípico para o programa de incentivos fiscais. "Um investimento deste tamanho não ocorre todos os anos, então 2017 foi atípico", observou o coordenador.
Dos 313 pleitos concedidos no ano passado, 43 foram de empresas estabelecidas no Ceará, cujos investimentos superaram os R$ 14 bilhões. O número é 127,4% a mais do que em 2016 quando o aporte foi de pouco mais de R$ 6,2 bilhões. Os projetos geraram pelo menos 20 mil empregos no período.

Diário do Nordeste
Cadernos:

Postar um comentário

A Voz de Santa Quitéria é uma ferramenta de informação que tem como características primordiais, a imparcialidade e o respeito a liberdade de expressão.
Contudo, em virtude da grande quantidade de comentários anônimos postados por pessoas que se utilizam do anonimato muitas vezes para ferir a honra e a dignidade de outras, a opção "Anônimo" foi desativada.
Agradecemos a compreensão de todos, disponibilizando desde já um endereço de email para quem tiver interesse em enviar sugestões de matérias, críticas ou elogios: avozdesantaquiteria@outlook.com.

Cordialmente,
Departamento de jornalismo

[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget