Criança sofre complicações após ingerir medicamento vencido. O caso foi destaque na Câmara Municipal

A Câmara Municipal de Santa Quitéria retornou os seus trabalhos na sexta (19), na última sessão que antecede a escolha da nova Mesa Diretora, que deverá acontecer no próximo dia 1º de novembro.
A Casa permaneceu 1 mês sem a realização de sessões, devido a campanha eleitoral, espaço cedido à Justiça Eleitoral e ao feriado de Nossa Senhora Aparecida, o que acumulou muitos temas para serem levados à Tribuna.
No âmbito político, foi destaque pelos vereadores o resultado das eleições para cada grupo político, principalmente, o resultado obtido pelo grupo do prefeito Tomás Figueiredo, considerado "pífio" por alguns parlamentares ao citar o resultado para deputado estadual, com menos da metade dos votos que foram concedidos para Tomás Filho em 2014, a época, com 8.577 votos.

Irresponsabilidade
O principal debate, no entanto, foi para a área da saúde, por uma denúncia vinda do distrito de Lisieux, quando uma criança de 10 anos com necessidades especiais sofreu complicações após tomar uma medicação vencida, que foi entregue na farmácia básica da sede do município.
Um vídeo com a mãe explicando o caso foi publicado nas redes sociais há quase duas semanas e repercutiu bastante. No vídeo, a senhora Ana Célia afirma que vai entrar com um pedido de indenização contra o Município, com denúncia-crime no Ministério Público e na Justiça local.
"É uma denúncia muito grave e eu não acredito que o Município não tenha tomado as providências. Não é só tomar as providências de retirar das prateleiras, é chamar a atenção e se for o caso, punir o servidor que está agindo dessa forma", cobrou o líder da bancada de oposição, Lino Paiva.
Ele também relatou, em entrevista ao A Voz de Santa Quitéria, a existência de outras denúncias como esta, em outros distritos de Santa Quitéria, que teria prejudicado mães e crianças, com lotes vencidos, por exemplo, de Paracetamol e amoxicilina.
Dentro do seu reduto, o presidente Joel Barroso tem acompanhado o caso e cobrou da Secretaria de Saúde, mais responsabilidade para evitar que episódios como este se repetissem.
A líder da situação, vereadora Sônia Paiva, afirmou que medidas já estão sendo tomadas em relação ao funcionário que entregou o medicamento sem verificar a data, já que este tem o controle da entrada e saída da medicação.
[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget