Museu Nacional resgata crânio de Luzia quebrado e identifica 80% das partes

O Museu Nacional anunciou, nesta sexta-feira (19), que conseguiu resgatar o crânio de Luzia, o fóssil humano mais antigo das Américas. A peça é uma das mais emblemáticas do acervo incendiado em 2 de setembro.
O crânio foi encontrado fragmentado, mas a restauração é possível, segundo os cientistas. A reconstrução depende de repasse de verba do Governo Federal para reabrir o laboratório do museu, que é gerido pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Museu Nacional anuncia resgate do crânio de Luzia. A primeira imagem mostra o crânio na íntegra e a segunda e terceira representam um modelo digital do crânio a partir do que foi recuperado

De acordo com os responsáveis pelo resgate, o crânio de 12 mil anos foi encontrado nesta semana. Cerca de 80% dos fragmentos de Luzia foram identificados.
"Luzia ficava num local diferente do acervo, justamente para podermos tirá-la imediatamente caso fosse necessário. Estava dentro de um armário e de uma caixa de metal", declarou Claudia Carvalho, uma das responsáveis pela equipe de buscas.
A caixa foi parcialmente destruída durante o incêndio.
"Precisamos fazer uma restauração e precisamos de casa para ela. Estamos lutando no Congresso Nacional pelo orçamento. É um trabalho de tempo e de recursos. Vai demorar muito tempo para fazer isso porque é milimétrico", acrescentou o diretor do Museu Nacional, Alexander Kellner.
O diretor informou que o resgate está em fase de escoramento e que as buscas ainda não começaram, mas que outros itens já foram encontrados sob os escombros, sem mencionar quais. O trabalho, que começou há três semanas, deve levar 150 dias ao todo.

UOL
Cadernos:
[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget