Haddad vira réu por corrupção e lavagem de dinheiro

A Justiça transformou o ex-prefeito de São Paulo e candidato derrotado do PT à Presidência da República este ano, Fernando Haddad, em réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro . De acordo com a Rede Globo, a decisão foi tomada  pela juiz Leonardo Barreiros, da 5ª Vara Criminal da Barra Funda. Haddad nega as acusações e diz que a denúncia não apresenta provas contra ele.
Em setembro, durante a campanha eleitoral, o Ministério Público Estadual de São Paulo apresentou a denúncia em que acusava Haddad de receber R$ 2,6 milhões de propina da empreiteira UTC Engenharia para pagamento de dívida contraída durante sua campanha à prefeitura de São Paulo em 2012.
A denúncia teve como base delações feitas pelo empreiteiro Ricardo Pessoa no âmbito da operação Lava-Jato.  O juiz não aceitou a acusação de formação de quadrilha também apresentada pelo MP.
Pessoa relatou em seu acordo de colaboração, que foi procurado por João Vaccari Neto, eentão tesoureiro do PT, para pagar dívidas da campanha de Haddad em 2012. O promotor sustenta que o pagamento foi feito por meio de caixa 2 a gráficas indicadas pelo ex-deputado estadual pelo PT Francisco Carlos de Souza, o Chicão.
Segundo a denúncia, Haddad recebeu o empresário Ricardo Pessoa para uma reunião na sede da prefeitura em 28 de fevereiro de 2013, quando já estava empossado no cargo. Em seguida, entre março e abril daquele ano,  Vaccari se reuniu com Pessoa para tratar do pagamento da dívida do PT.
Para o promotor, a proximidade das datas desses encontros é um dos indícios de que Haddad tinha conhecimento das dívidas de campanha e de como foram feitos os pagamentos. Contudo, não há na denúncia comprovação de que a empreiteira tenha recebido contrapartidas do então prefeito, nem que Haddad tenha feito pessoalmente o pedido.
Haddad afirma que a denúncia não apresenta provas. 
“A denúncia é mais uma tentativa de reciclar a já conhecida e descredibilizada delação de Ricardo Pessoa. Com o mesmo depoimento, sobre os mesmos fatos, de um delator cuja narrativa já foi afastada pelo STF, o Ministério Público fez uma denúncia de caixa 2, uma denúncia de corrupção e uma de improbidade. Todas sem provas, finfadas apenas na desgastada palavra de Ricardo Pessoa, que teve seus interesses contrariados pelo então prefeito Fernando Haddad. Trata se de abuso que será levado aos tribunais”, afirma nota divulgada pelo ex-prefeito.
Em requerimento apresentado ao juiz da 5ª Vara Criminal, o advogado de Haddad, Pierpaolo Bottini, alega que a única menção ao seu cliente nos autos é feita por Pessoa e diz que o caso também motivou uma denúncia apresentada à Justiça Eleitoral, portanto não caberia o processo criminal. Também diz que o empreiteiro não relata a prática de corrupção passiva  por parte de Haddad. A denúncia, no entendimento do defensor, seria "inepta".

O Globo
Cadernos:
[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget