Saída de cubanos do Mais Médicos já afeta mais de 6 mil famílias em Santa Quitéria, afirma secretária

Após o governo de Cuba anunciar o fim da sua participação no programa Mais Médicos, em Santa Quitéria, pelo menos 6,5 mil famílias ficaram desassistidas com a baixa de médicos cubanos que desenvolviam seu trabalho em cinco UBS nos distritos de Valparaíso, Riacho das Pedras, Saco do Belém, Macaraú e Lisieux. A informação foi revelada pela secretária de saúde, Ana Patrícia Ximenes, durante entrevista ao programa Redação Plus, da Rádio Plus FM, nesta quinta (22).
A notícia do governo cubano pegou a todos de surpresa, inclusive os profissionais, o que vem causando um grande prejuízo para a saúde, inclusive, com proporções que deverão aumentar até meados de 15 de dezembro.
De acordo com a secretária, todos que compõem a Pasta da saúde estão em operação conjunta para não deixar a população desassistida, e fazendo o possível até que a situação se normalize, com o preenchimento das vagas do programa.
A secretária relatou ainda que, devido ao Município ter aderido ao Mais Médicos, fica impossibilitada a contratação de novos profissionais.


A Prefeitura Municipal de Santa Quitéria emitiu uma nota na manhã de hoje, em agradecimento aos cinco profissionais cubanos, que exerceram suas atividades em nosso município. A nota expressa a dedicação, gratidão e profissionalismo dos médicos para com a população.

Agentes Comunitários de Saúde
Questionada sobre o ato das ACS do município, ontem no Paço Municipal, Ana Patrícia relatou que o aumento de 20% da insalubridade foi anunciado pelo governador Camilo Santana, após o fechamento da Lei Orçamentária Anual do município. No entanto, em agosto, ficou acordado com as agentes que o município pagaria um incentivo extra para a categoria.
Ana Patrícia informou que irá se reunir com a presidente da Associação das Agentes do Município a fim de se chegar a uma conclusão sobre o que fazer com a reivindicação.

Assistência Farmacêutica
A responsável pela pasta afirmou que tem feito permutação com outros municípios para que não falte medicamentos. Ela mencionou uma reunião, que ocorreu na Secretaria de Saúde do Estado, onde foi discutida a redução de medicamentos que os municípios recebem.
Atualmente, são 136 itens da farmácia básica, no entanto, há medicamentos onde há dificuldades de compra, devido ao baixo numero de cidades que o aderem.
[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget