Gêmeas podem voltar para casa até o fim deste mês

Há pouco mais de um mês, as gêmeas Maria Ysadora e Maria Ysabelle, 2 anos, se viram pela primeira vez, após serem submetidas a uma cirurgia de separação até então inédita no País. Caso raro de siamesas craniópagas (ligadas pelo topo do crânio), elas podem retornar ao Ceará nas próximas semanas. Assistidas no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (SP), é lá que elas e os pais vivem desde janeiro.
"As meninas continuam surpreendendo. Ainda está em processo de decisão, mas os pais estão pensando em voltar nas próximos semanas", contou ao O POVO o médico cearense Eduardo Jucá. Segundo o neurocirurgião, que acompanha o caso desde o início, a viagem de volta é possível do ponto de vista médico.
Movimentando bem os membros, mexendo no celular, as meninas têm reagido bem a estímulos. "Elas já estão sorrindo, brincando com objetos, sustentado o pescoço - coisa que não faziam antes. A gente estimula e elas respondem. A gargalhada é a melhor resposta desse processo todo".
Até a separação final, em 28 de outubro, o procedimento foi realizado em cinco etapas ao longo deste ano. Antes disso, as meninas viviam unidas pelo topo da cabeça, compartilhando parte do cérebro.
"As funções (cerebrais) estão todas presentes. O que precisa agora é a reabilitação, porque elas passaram dois anos, praticamente, sem poder serem estimuladas, sem se locomover. Se uma criança, que não é siamesa, não for estimulada, ela também teria alentecimento do desenvolvimento", esclarece.
Um fator positivo no caso é a neuroplasticidade, que é a capacidade natural do cérebro de adaptar as funções. "Quando uma área do cérebro tem dificuldade, outra assume. Essa capacidade é mais intensa nas crianças. A fisioterapia, o estímulos, a reabilitação em geral aumenta em muito a intensidade das novas conexões cerebrais".
Para dar continuidade ao processo, que será longo e já se iniciou em Ribeirão Preto, Eduardo explica que há um planejamento para poder oferecer em Fortaleza o que as meninas necessitam: fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional e psicologia. O médico adiantou que algumas opções de hospitais estão sendo estudadas e, como a família reside no distrito de Patacas, em Aquiraz (Região Metropolitana de Fortaleza), a localização poderá determinar a escolha.
Sobre o sucesso do caso, o médico atribui também à "corrente positiva" que  se criou. "As pessoas vêm conversar com a gente. Pessoas que não têm nada a ver e vêm se manifestar. Que se envolveram, torceram junto. Isso deu muita motivação para seguir num dos maiores desafios da medicina brasileira", agradece Jucá.

O POVO Online
Cadernos:
[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget