Secretário diz que reação era esperada e que não voltaria atrás na sua afirmação de separar presos

O secretário de Administração Penitenciária, Luís Mauro Albuquerque, afirmou que o governador Camilo Santana deu total autonomia para aplicação da lei em presídios e atribuiu a onda de ataques como uma resposta às duras medidas impostas contra o crime organizado no Estado.
As declarações foram feitas em entrevista exclusiva ao portal UOL, publicada nesta quarta-feira (9). O secretário falou ainda sobre apoio do Governo Federal, por meio do Ministério da Justiça, que enviou homens da Força Nacional ao Estado para retomar o controle da situação.
Mauro também frisa que este “é um momento duro, mas passageiro, que trará certamente um grande ganho para o Estado e para o Brasil”.
As perguntas foram respondidas pelo secretário por e-mail.

Confira a entrevista

UOL: Como o senhor analisa o nível de crise instalado atualmente no estado?
Albuquerque: O Ceará vive um momento de forte enfrentamento a ações de criminosos. A reação do crime organizado a esse enfrentamento era algo esperado. O Estado tem respondido prontamente com um trabalho forte de inteligência, com mais de duas centenas de prisões e a transferência de lideranças do crime para penitenciárias federais. Contamos com o apoio do Ministério da Justiça e Segurança, além de estados parceiros. É um momento duro, mas passageiro, que trará certamente um grande ganho para o Estado e para o Brasil.

A que se deve essa série de ataques recentes na avaliação do senhor?
O governo do Estado tem assumido uma série de medidas contra o crime organizado, garantindo a aplicação da lei, e na qual está inserida a própria criação da Secretaria da Administração Penitenciária. Esses ataques são uma clara reação a essa atuação dura.

O governador tem conversado e apoiado?
O governador Camilo Santana me deu total autonomia para aplicar a lei no sistema. Sob o comando do governador Camilo, o estado está reunido, desenvolvendo um trabalho conjunto para normalizar essa situação. A diretriz que recebemos do governador Camilo Santana é de que é preciso fazer cumprir a lei dentro das unidades prisionais do estado. E é esse o trabalho que estou buscando desenvolver.

O senhor assume a responsabilidade pela motivação dos ataques, uma vez que investigadores apontam que o crime organizado se rebelou após seu discurso de posse?
Os ataques ocorreram após as duras medidas impostas pelo estado contra o crime organizado, dentro e fora das unidades prisionais.

Qual a chance de voltar atrás na afirmação e, consequentemente, na configuração da disposição dos presos nas unidades prisionais?
A minha determinação é tratar preso como preso, garantindo seus direitos e exigindo o cumprimento de seus deveres, como preceitua a Lei de Execução Penal. Acredito que o caminho de gerir uma secretaria e consequentemente o sistema penitenciário é seguindo o que rege a lei. Portanto, não há como voltar atrás.

O senhor se sente, de alguma maneira, ameaçado?
De forma alguma.

Em meio ao que vem acontecendo, é possível dizer que existe algo de positivo?
As ações são positivas para o Estado e para o Brasil. Estamos trabalhando para implantar uma rotina mais firme de disciplina dentro das unidades prisionais, com procedimentos rígidos que visam a coibir a entrada de ilícitos, impedindo que criminosos atuem de dentro do presídio aqui para fora. Também buscamos um padrão de segurança que dê mais garantia ao trabalho dos agentes penitenciários. E queremos ainda atender a todas as assistências - de saúde, educação, trabalho e jurídica - às quais os presos têm direito por lei. Alcançar esses objetivos é altamente positivo. Com as parcerias traçadas, a estratégia de rua e dentro das unidades, creio que seremos uma semente para que situações como a que vivenciamos atualmente não sejam repetidas em outros Estados.
Cadernos:
[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget