Bolsonaro sobre caso Flávio: 'Não é justo atingir um garoto, fazer o que estão fazendo com ele'

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou durante entrevista à TV Record em Davos (Suíça), onde participa do Fórum Econômico Mundial, que acredita na inocência do filho, o deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). "Acredito nele. A pressão enorme em cima dele é para tentar me atingir", disse.
Flávio é citado no procedimento aberto pelo Ministério Público do Rio contra o ex-assessor Fabrício Queiroz, que é investigado por movimentação suspeita de R$ 1,2 milhão durante um ano, identificada pelo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).
O Coaf considerou ainda suspeitos 48 depósitos feitos em dinheiro na conta de Flávio. Os depósitos, sempre no valor de R$ 2.000, totalizando R$ 96 mil, foram feitos em junho e julho de 2017 no autoatendimento da agência bancária que fica dentro da Assembleia Legislativa do Rio.
Mais cedo, em entrevista à agência Bloomberg, o presidente afirmou eventuais irregularidades cometidas por Flávio terão de ser punidas. À Record, Bolsonaro chamou de "infundadas" as acusações contra Flávio e disse que o sigilo do filho foi quebrado. "Fizeram uma arbitrariedade contra ele nessa questão".
A solicitação de informações do Coaf, de acordo com norma do Conselho Nacional do Ministério Público, não configura quebra de sigilo. Ao final da entrevista, Bolsonaro voltou a afirmar que "não está acima da lei" e que as denúncias contra Flávio têm como objetivo atingir o seu governo.
"Nós não estamos acima da lei. Pelo contrário, estamos abaixo da lei. Agora, que se cumpra a lei, não façam de maneira diferente para conosco. Não é justo atingir um garoto, fazer o que estão fazendo com ele, para tentar me atingir", disse o presidente. 

Entrevista cancelada

Questionado sobre o cancelamento da entrevista que concederia a jornalistas brasileiros e estrangeiros em Davos, Bolsonaro disse que seguiu recomendação médica. Ele será submetido a uma cirurgia no próximo dia 28, em São Paulo, para fechamento da colostomia feita após o atentado sofrido em setembro passado, durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG).
"Tenho que chegar descansado no domingo em São Paulo para que eu possa me submeter a uma cirurgia bastante complexa, que todo meu abdômen será aberto novamente".
O presidente afirmou que não teria nada de novo para falar à imprensa naquele momento e que optou pelo cancelamento da coletiva para se poupar. "Logicamente o que pudemos cancelar aqui nós cancelamos".

Diário do Nordeste
Cadernos:
[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget