PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Com quadra chuvosa, preços dos alimentos sobem até 114% no Estado

A quadra chuvosa é um dos períodos do ano mais esperados pelos cearenses. Junto a ela vem um sentimento de esperança, de não haver mais dificuldades com a falta d'água, de mais rendimentos com as colheitas no semiárido e, para os consumidores, preços menores. O que os números mostram, no entanto, é que cerca de 54% das frutas, hortaliças e legumes ficaram mais caros nesta semana em relação à quarta semana de fevereiro, de acordo com monitoramento da Central Estadual de Abastecimento (Ceasa).
Dos 42 produtos acompanhados pela Ceasa, 23 apresentaram elevações de preços no período mencionado, enquanto apenas 12 ficaram mais baratos. Os sete restantes não variaram. O quilo do maracujá no atacado chegou a ficar 114,29% mais caro, sendo comercializado a R$ 6,00 esta semana contra R$ 2,80 de fevereiro. Outros itens que também sofreram aumento de preços foram o pimentão (de R$ 3,20 para R$ 5,40), tomate cajá (de R$ 3,20 para R$ 4,40), graviola (de R$ 6,00 para R$ 8,00) e o melão (de R$ 1,80 para R$ 2,40).

Análise
O analista de mercado da Ceasa, Odálio Girão, reconhece que, de forma geral, há mais produtos que encarecem do que os que ficam mais baratos. “Principalmente algumas frutas e hortaliças estão sendo bastante prejudicadas. Tem muitas colheitas que não são adaptadas para muita água. A região da Ibiapaba, principalmente, está sofrendo muito”, afirma. Ele acrescenta que as chuvas são boas para acontecer no momento de preparação do plantio. Recebendo muita chuva após plantados, os produtos ficam fragilizados e apodrecem mais rápido.
A batata-inglesa, um dos itens de destaque em volume de vendas, também preocupa, segundo Girão. “Ela é advinda principalmente da região Sudeste. Terminaram as colheitas de Minas Gerais e da Bahia, mas não tiveram resultado satisfatório. Então, a batata-inglesa está chegando aqui com preço bastante elástico”, explica o analista de mercado. O item ficou 21,74% mais caro, com o quilo custando R$ 5,60 contra R$ 4,60 de fevereiro.

Mais baratos
No sentido contrário, há também alguns itens mais acessíveis que estão valendo a pena. É o caso do milho verde, que está 28,57% mais barato, sendo vendido a R$ 0,50 a unidade. A alface crespa (R$ 1,50 o pé), o feijão verde (R$ 6,00 o quilo), a abóbora leite (R$ 2,30) e mamão Hawai (R$ 3,40) também tem apresentado boas reduções de valores de vendas no atacado.
“Entre as frutas, o abacate, o limão e a acerola têm se beneficiado com as chuvas e ficando mais em conta. O feijão verde também já começa a ficar mais barato, assim como o quiabo e maxixe entre os legumes”, destaca Girão. 
Ele ainda ressalta que somente após o mês de maio é que deve haver uma normalização dos preços, passado o período chuvoso e a colheita de novas safras, como a da banana.

Supermercados
A alta de preços já chegou também nos supermercados do Estado e tem interferido no volume de vendas, segundo Nidovando Pinheiro, vice-presidente da Associação Cearense de Supermercados (Acesu). “Com as chuvas nas serras daqui e na Bahia também, de onde vem muitos produtos, a qualidade tem sido muito afetada e os preços também”, afirma. Ele acrescenta que os estabelecimentos tentam repassar para os consumidores os valores que já vinham sendo praticados, “mas chega uma hora que não é possível absorver todo o repasse dos fornecedores”.
Com as elevações, o consumo dos produtos que estão sendo prejudicados tanto em termos de preços quanto em qualidade diminui com as adaptações feitas pelos clientes na cesta de consumo. “A dona de casa, quando vê um valor mais alto do que ela costuma comprar, já reduz a quantidade ou busca outro item mais barato para substituir; vai fazendo trocas para não pesar tanto no orçamento”, diz Nidovando. Ele ainda ressalta que alguns produtos devem voltar aos preços normais com a trégua das chuvas.

Diferença de preços entre supermercados chega a 293,25%
Confirmando a avaliação do vice-presidente da Associação Cearense de Supermercados (Acesu), Nidovando Pinheiro, de que algumas frutas e hortaliças estão ficando mais caras nos estabelecimentos varejistas, pesquisa do Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon Fortaleza) constatou elevação de 7,18% no valor da cesta de produtos básicos em março, totalizando R$454,44 contra R$424,01 observado em fevereiro. Em janeiro, o valor havia ficado em R$439,23.
Um dos pontos que mais salta aos olhos na pesquisa, no entanto, é a discrepância dos valores de comercialização de um estabelecimento para outro. O quilo do alho a granel chega a ter uma diferença de 293,25%, sendo vendido de R$8,90 a R$35,00. O quilo do mamão também assusta, com variação de 235,29%, sendo encontrado a R$1,19 (mais barato) a R$3,99 (mais caro).

Diário do Nordeste
Cadernos:
[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget