PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Camilo acusa Theophilo de usar episódio de Maracanaú para “fazer politicagem baixa”

Em transmissão ao vivo pelas redes sociais nesta terça-feira, o governador do Estado Camilo Santana (PT) rebateu acusações do secretário nacional da Segurança Pública, general Guilherme Theophilo, que atribuiu ao Abolição culpa pela saída de Maracanaú de projeto do Ministério da Justiça.
“Nunca foi oficializado nada do governo do Estado. Não tem um ofício da secretaria falando desse programa nem dizendo o que queria de apoio do Estado”, diz Camilo.
Ainda segundo o governador, “até hoje não sei qual o apoio para a implantação desse projeto”.
Camilo admite também haver ficado “surpreso que, num evento político, o secretário ter anunciado que o projeto não veio por culpa do Estado”. E acrescentou: “Isso é mentira”.
O petista então fala que a “eleição já passou” e que estão “utilizando de forma desleal essa questão pra fazer politicagem baixa”.
O governador relata que, em março, recebeu um telefonema de Theophilo para tratar do programa, cujo objetivo é reduzir os índices de violência no País. Para tanto, foram escolhidas cinco cidades que funcionarão como projeto-piloto. Maracanaú era um desses municípios, tendo sido substituído por Paulista (PE). Por ano, serão destinados cerca de R$ 50 milhões para cada uma delas.
“Ele (Theophilo) diz que o governo federal ia implantar um projeto em cinco cidades do País. Marcamos uma reunião com a minha presença. O general não veio. Mas enviou um secretário-adjunto”, conta Camilo.
O chefe do Executivo complementa que o brigadeiro Riomar, adjunto de Theophilo, foi recebido pela cúpula da segurança do Estado.

O POVO Online
Cadernos:
[disqus][facebook]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget