PUBLICIDADE
PUBLICIDADE



Pesquisa identifica quase 5 mil obras do PAC paralisadas no país

Um total de 4.669 obras que integravam o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) estavam paralisadas em junho de 2018, aponta uma pesquisa encomendada pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).
Segundo o levantamento, do total de obras paradas do PAC, 1.709 são de unidades básicas de saúde (UBS) e 969 de creches e pré-escolas.
O PAC foi criado durante o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) para alavancar investimentos em obras consideradas fundamentais em infraestrutura logística, infraestrutura energética e infraestrutura social e urbana. O carimbo do PAC assegurava prioridade aos empreendimentos.
A iniciativa do governo petista teve prosseguimento na gestão da presidente Dilma Rousseff, mas foi praticamente paralisada quando Michel Temer assumiu o comando do Palácio do Planalto.
O levantamento da Cbic e do Senai também identificou que entre as principais causas da paralisação das obras do PAC estão problemas com o projeto de engenharia, pendência operacional – como atraso em pagamentos e na prestação de contas – e falhas na licitação.

Principais obras paralisadas, de acordo com a pesquisa
  • 1.709 unidades básicas de saúde
  • 969 creches e pré-escolas
  • 646 obras de saneamento
  • 417 obras de urbanização de assentamentos precários
  • 373 quadras esportivas nas escolas
  • 132 obras de prevenção em áreas de risco
  • 130 obras de pavimentação
Unidades de saúde
O levantamento divulgado nesta quarta-feira também analisou a situação de 500 das 1.709 Unidades Básicas de Saúde com obras paralisadas e apontou que 61,1% delas estão localizadas na região Nordeste. No Norte, estão localizados 16,4% dos projetos à espera de dinheiro para conclusão.
Ainda de acordo com dados divulgados pela Cbic, muitas obras paradas estão em estágio avançado de construção. Mais da metade dos investimentos do PAC estão com mais de 70% da obra executada.
"Você precisa de um orçamento de cerca de R$ 200 milhões para concluir essas unidades básicas de saúde. O que é um orçamento de R$ 200 milhões? Mas o problema não é dinheiro para finalizar. O problema é dinheiro para manter”, afirmou nesta quarta-feira o presidente da Cbic, José Carlos Martins, em evento, em Brasília, no qual foi divulgada a pesquisa.

G1
Cadernos:
[blogger]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget