PUBLICIDADE



'Além de mentiroso, revela-se um insano homicida-suicida', diz Temer sobre Janot

O ex-presidente Michel Temer — acusado pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot de ter pedido o arquivamento da investigação contra o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha — afirmou em nota na tarde desta sexta-feira que Janot, "além de mentiroso contumaz, revela-se um insano homicida-suicida".

A manifestação do presidente, por meio de nota, ocorreu após o antigo Procurador-Geral revelar que entrou no Supremo Tribunal Federal armado e com o objetivo de matar o ministro Gilmar Mendes, com quem trocava farpas no auge da Operação Lava-Jato.

Janot também relatou um encontro com o então vice-presidente, Michel Temer, o ex-deputado Henrique Eduardo Alves e o ex-ministro da Justiça Eduardo Cardozo no Palácio do Jaburu. Na reunião, Eduardo Alves teria apelado ao "patriotismo" de Janot para que o procurador-geral arquivasse a investigação contra Eduardo Cunha e, consequentemente, acalmasse o presidente da Câmara.

"Eles queriam que eu praticasse um crime, o de prevaricação. Falei alguns palavrões indizíveis antes de ir embora", disse o ex-procurador à revista "Veja".

O presidente Michel Temer, em comunicado, negou tal encontro. "O ex-procurador Janot, além de mentiroso contumaz e desmemoriado, revela-se um insano homicida-suicida. As ocasiões em que esteve comigo foram para detratar e desmoralizar os possíveis integrantes de lista tríplice para Procurador-Geral da República e para sugerir que nomeasse alguém fora da lista. Não merece consideração".

Michel Temer, já presidente, foi alvo de duas denúncias formuladas por Rodrigo Janot antes de o procurador deixar o cargo. As acusações foram feitas com base no acordo de delação premiada firmado com os irmãos Joesley e Wesley Batista.

Os advogados do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha consideraram esquizofrênicas as acusações feitas pelo ex-procurador-geral. Janot também afirmou em entrevista à revista "Veja" que suspeita que Cunha foi o mandante da invasão de sua casa em 2015.

Por meio de nota, os advogados demonstraram perplexidade com as revelações e preocupados com a segurança de Cunha na prisão.

O Globo
Cadernos:
[blogger]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget