PUBLICIDADE



Má qualidade da água já rendeu multas de R$ 576 mil contra a Cagece em 2019

Responsável por prestar os serviços de distribuição de água e esgotamento em 151 dos 184 municípios cearenses, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) soma mais de R$ 576.937,00 em multas por infrações referentes à qualidade da água somente neste ano. Os dados foram repassados pela Agência Reguladora do Estado do Ceará (Arce), que fiscaliza a empresa. A Cagece nega as irregularidades.
Até setembro de 2019, a Arce aplicou 35 processos administrativos punitivos contra a companhia, 12 a mais que no mesmo período de 2018. Segundo o coordenador de Saneamento Básico da Agência, Geraldo Basílio, “as multas desta natureza avaliam o fornecimento de água fora dos padrões de potabilidade estabelecidos pela legislação”. Esse controle e qualidade são definidos pelo Ministério da Saúde. Os critérios levados em conta são: turbidez, coliformes totais e cloro residual livre apresentados nas amostras.
Morador do município de Jaguaruana, no Vale do Jaguaribe, o estudante de Engenharia de Software Gabriel Maia, 21, teve um problema no olho causado pelo cloro na água que chega à sua casa. Ele diz que quando vai escovar os dentes ou tomar banho, sente “o cheiro forte de cloro”. “Por volta de maio, após um banho, meu olho começou a coçar muito e ficar muito vermelho. Eu fui ao oftalmologista e ele falou que o motivo era o contato com o cloro da água”.

Cagece diz atender a exigências
Em nota, a Cagece informou que “atende a todas as exigências legais do Ministério da Saúde, contidas na Portaria de Consolidação nº5/2017” e que “possui uma gerência específica para acompanhamento das demandas regulatórias”.
“Além de atender a todos os parâmetros do tratamento, a Companhia também realiza o monitoramento da água distribuída à população. Ao todo, 206 laboratórios em todo o Ceará realizam diariamente ensaios de tratabilidade e o monitoramento da água que servirá para abastecimento”, diz a nota.
Ainda segundo a Cagece, fica sob responsabilidade da agência reguladora a gestão dos processos de fiscalização, o controle das notificações recebidas, vistorias prévias e de rotina aos sistemas de abastecimento de água, esgotamento sanitário e gerencial da Companhia.

Riscos à saúde
Assim como no caso do estudante Gabriel Maia, o contato com o produto abaixo desses parâmetros causa uma série de problemas à saúde humana.
Carlos Márcio Soares Rocha, químico industrial e doutor em Geologia, aponta complicações intestinais, gastroenterite e náuseas. O especialista explica que o quadro é causado pela presença de “bactérias do grupo coliformes totais e cloro que podem causar problemas de mal estar, por ser oxidante, além de turbidez material coloidal orgânica dissolvido na água”.
A Cagece ainda orienta os clientes que entrem em contato pelos canais de atendimento disponíveis, como a Central de Atendimento (0800.275.0195), o aplicativo Cagece App (disponível para Android e iOS) ou por meio da Gesse, a assistente virtual da companhia, que atende pelo site da companhia.

G1 CE
Cadernos:
[blogger]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget