PUBLICIDADE



Aposentadoria: 93% dos cearenses dependerão unicamente do INSS

Os baixos salários, aliados à falta de conhecimento ou de interesse e, em muitos casos, ao desemprego, fazem com que a maioria dos cearenses dependa exclusivamente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para sobreviver após deixar o mercado de trabalho. Pesquisa do Instituto Opnus revela que 93% dos cearenses não têm outras fontes de renda para complementar a aposentadoria.

Apenas 1% dos entrevistados disse ter poupança, outros 1%, previdência privada, 1% possui empresa ou negócio próprio, 1% contribui para sindicato rural e 2% têm outras fontes de renda. "A gente discute o quanto essa Previdência é dura. E é verdade. Ela tem muitos componentes difíceis. O problema é o salário mínimo, é o tamanho da renda do brasileiro, que é muito baixa. Isso precisa ser sanado", aponta Célio Fernando, economista e presidente do Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec) no Nordeste.

Para o economista, a educação financeira para a Previdência é frágil no País. "Hoje, as pessoas estão mais preocupadas com o carpe diem (desfrute o presente). A preocupação é se eu vou ter dinheiro para poder dar alimento à minha família e dar condições aos meus filhos. Essa é a situação hoje em geral do Brasil".

Do total de cearenses que não contribuem, 71% são do sexo feminino e 43% estão na faixa etária de 16 a 24 anos. Ainda entre aqueles que não pagam, 53% ganha até um salário mínimo e 44% possui escolaridade até o ensino médio.

Por outro lado, o pagamento da contribuição é mais comum entre homens (50%), pessoas com idade entre 45 e 59 anos (75%), com ensino superior completo (71%) e ganhos mensais maiores que cinco salários mínimos (79%).

Diário do Nordeste
Cadernos:
[blogger]

MKRdezign

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget