Detentas confeccionam 11 mil máscaras para uso em presídios e cadeias do Ceará

Detentas confeccionam 11 mil máscaras para uso em presídios e cadeias do Ceará

Seis detentas do Instituto Penal Feminino (IPF) Auri Moura Costa, em Aquiraz, começaram a confeccionar, na última sexta-feira (3), 11 mil máscaras de proteção para serem utilizadas no sistema penitenciário cearense. O objetivo do Estado é evitar a propagação do novo coronavírus (Covid-19) em presídios e cadeias públicas.

A matéria-prima (rolos de TNT, linha, clipe nasal e elástico) foi doada pela Federação das Indústrias do Ceará (FIEC), através do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), de acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária do Ceará (SAP).

As máscaras serão distribuídas para os 17 presídios e para as 13 cadeias públicas que existem no Estado, que tinha uma população total de 24.017 presos, no fim do ano passado, de acordo com o último boletim da SAP. Os números de 2020 ainda não foram divulgados.

As detentas responsáveis pela confecção das máscaras passaram por treinamento específico, certificado pelo Senai, no ano passado. "Importante saber que nosso esforço ajudará a proteger pessoas. Nosso trabalho de confecções das máscaras pode salvar vidas", comentou a interna Alana Tamires, de 26 anos.

"As máscaras são equipamentos de proteção fundamentais nesse período. Já adotamos no sistema penitenciário e vamos produzir milhares de exemplares com a nossa mão de obra qualificada dentro do próprio sistema. Importante destacar mais essa parceria com a FIEC e Senai. Um ganho social e um esforço coletivo na luta contra o coronavírus", ressaltou o secretário da Administração Penitenciária, Mauro Albuquerque.