Medicamento para piolho pode matar coronavírus em 48 horas

Medicamento para piolho pode matar coronavírus em 48 horas

Ivermectina. Este é o nome do remédio usado para exterminar vermes e parasitas (como pulgas e piolhos) que diminuiu a quase zero a carga viral do novo coronavírus em exames de laboratório. É o que aponta uma pesquisa publicada na última sexta-feira, 3. Comandado pela Universidade de Monash, na Austrália, o estudo feito em laboratório teve resultado em células controladas e ainda não foi testado em seres humanos.

De acordo com o documento, publicado no periódico Antiviral Research, as células em laboratório foram infectadas com o novo coronavírus e logo depois sofreram a adição da Ivermectina. Nas primeiras 24 horas houve uma redução do 93% do material genético do vírus; passando para as 48 horas de estudo, a taxa baixou para 99,9%. 

Apesar dos resultados positivos, ainda não é possível saber se a eficácia se repetirá no uso em humanos. A expectativa do grupo envolvido no estudo (o Instituto de biomedicina de Monash Biomedicine com o Instituto Peter Doherty de infecção e imunidade) é que com o uso da droga seja possível limitar a carga viral do coronavírus, impedindo que a infecção causada por ele desenvolva-se para quadros graves e diminuindo a transmissão entre pessoas.

Se por um lado, o uso da ivermectina possui “um perfil de segurança estabelecido para o uso humano” e seja liberado em todo o mundo para combater parasitas e vermes, conforme aponta o estudo, ele não obteve o resultado esperado no uso para pacientes com dengue, em uma análise clínica realizada na Tailândia. Há, no entanto, a expectativa de que o comportamento para casos de Covid-19 seja diferente, apostando em doses mais adequadas para o tratamento da doença.

Cabe ressaltar que os pesquisadores apontaram que o uso da Ivermectina no combate a Covid-19 permanece não comprovado e depende de testes clínicos para que haja avanço no reconhecimento de sua eficácia.

Luiz Felipe Castro