Novo ministro da Saúde defende 'isolamento estratégico'

Novo ministro da Saúde defende 'isolamento estratégico'

Em artigo publicado no LinkedIn, Nelson Teich, novo ministro da Saúde, critica a "polarização" entre a saúde e a economia e defende a necessidade de projeções sobre o coronavírus "levar em consideração o impacto de uma crise econômica nos níveis de saúde e mortalidade da população".

"Esse tipo de problema é desastroso porque trata estratégias complementares e sinérgicas como se fossem antagônicas. A situação foi conduzida de uma forma inadequada, como se tivéssemos que fazer escolhas entre pessoas e dinheiro, entre pacientes e empresas."

Teich já criticou o isolamento vertical, modelo defendido por Bolsonaro em que apenas pessoas no grupo de risco são colocadas em quarentena.

"Sendo real a informação que a maioria das transmissões acontecem a partir de pessoas sem sintomas, se deixarmos as pessoas com maior risco de morte pela covid-19 em casa e liberarmos aqueles com menor risco para o trabalho, com o passar do tempo teríamos pessoas assintomáticas transmitindo a doença para as famílias", escreveu.

Por isso, já defendeu, em artigo, o isolamento horizontal como a "melhor estratégia no momento" no combate à pandemia.

"Diante da falta de informações detalhadas e completas do comportamento, da morbidade e da letalidade da covid-19, e com a possibilidade do Sistema de Saúde não ser capaz de absorver a demanda crescente de pacientes, a opção pelo isolamento horizontal, onde toda a população que não executa atividades essenciais precisa seguir medidas de distanciamento social, é a melhor estratégia no momento."

Ele ressalta, no entanto, que nenhum dos modelos seria o ideal e defende um "isolamento estratégico", com uso de sistema de geolocalização para monitoramento de aglomerações.

"Estamos falando aqui do uso de testes em massa para covid-19 e de estratégias de rastreamento e monitorização, algo que poderia ser rapidamente feito com o auxílio das operadoras de telefonia celular", afirmou. Nesta semana, no entanto, Bolsonaro vetou o uso de geolocalização para identificar situações de risco.

Teich já mencionou a cloroquina como esperança no tratamento do coronavírus, mas não se posiciona sobre a forma como ela deve ser usada.

Estadão Contéudo