Prevenção na pandemia: Hospital Regional Norte imuniza crianças contra doenças respiratórias graves em Sobral

Prevenção na pandemia: Hospital Regional Norte imuniza crianças contra doenças respiratórias graves em Sobral

Estratégia usada para evitar doenças respiratórias graves em crianças, o Hospital Regional Norte (HRN), em Sobral, potencializou a imunização de bebês contra o vírus sincicial respiratório. O organismo causa uma infecção grave capaz de afetar os pulmões e os brônquios do paciente. A medida atende, também, recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), que pediu o reforço nesta aplicação como estratégia importante em meio a pandemia.

Cerca de 80 crianças estão recebendo doses do medicamento,  que protege o bebê contra o vírus ao longo da quadra chuvosa (fevereiro a março). O ciclo de aplicação começou em fevereiro e segue até julho. Prematuros infectados no primeiro ano de vida geralmente desenvolvem bronquiolite aguda e pneumonia. Já nos prematuras com doença pulmonar crônica ou cardíaca congênita, o vírus pode piorar o quadro e ocasionar a internação da criança. 

“Descartamos a possibilidade de ela ser internada e, com isso, de adquirir outras doenças”, explica a coordenadora de enfermagem da Neonatologia do HRN, Cristiane Lemos. “A palivizumab (anticorpo utilizado) é uma estratégia que tem que ser fortalecida e funciona semelhante à vacina da H1N1, mas é um medicamento melhorado. Enquanto a vacina da H1N1 ajuda o corpo a desenvolver a imunidade, a palivizumab já aplica a imunidade pronta”. 

O HRN foi o primeiro hospital do Sistema Único de Saúde (SUS) no interior do Ceará a contar com a medicação. Este é o segundo ano seguido que a imunização é feita. Em 2019, mais de 70 crianças da região Norte foram imunizadas. 

Força-tarefa
Para evitar aglomerações, as doses do medicamento estão sendo aplicadas nesta segunda-feira (27) e amanhã (28), em horários previamente agendados pelo Hospital Regional. O público-alvo para aplicações são bebês prematuros nascidos com menos de 29 semanas e que tenham menos de um ano de idade, além de crianças menores de dois anos com doença pulmonar crônica ou doença cardíaca congênita.