Economia do Ceará levará ao menos 2 anos para voltar a patamar pré-crise

Economia do Ceará levará ao menos 2 anos para voltar a patamar pré-crise

Apesar do plano de reabertura econômica cearense não prever em quanto tempo as atividades voltarão à capacidade produtiva de antes da pandemia do novo coronavírus, especialistas apontam que ao menos dois anos serão necessários para que a atividade retome o patamar de antes da crise no Estado e no País.

O projeto, ainda não apresentado pelo Governo Estadual, dividiu a reabertura em quatro fases, incluindo 12 setores primordiais para o reinício. O governador Camilo Santana informou ontem (23) a expectativa de que o plano comece a ser implementado no Estado em 1º de junho, se até o fim do mês se confirmar a tendência de estabilização dos casos de Covid-19.

De acordo com o diretor da Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade da UFC, Paulo Matos, esse prazo de dois anos para a retomada da economia no patamar de antes do coronavírus deve ocorrer "em condições normais", caso nenhum outro evento venha a atrapalhar a economia. "Até o fim de 2022, acreditando em anos normais, a gente conseguiria zerar a pancada de 2020", pontua.

"O turismo deve sofrer um baque permanente e vai precisar se reinventar. O turismo de negócios é um setor que praticamente morreu", avalia com preocupação. Para o economista, cabe ao Executivo estadual reforçar o trabalho de outras estratégias para uma injeção no perfil econômico do Ceará, além de garantir dependência menor de recursos da União.

Diário do Nordeste