MPF e PF ouvem testemunhas em apuração sobre vazamentos para Flávio Bolsonaro

MPF e PF ouvem testemunhas em apuração sobre vazamentos para Flávio Bolsonaro

O Ministério Público Federal ouve nesta sexta-feira (29) o último dos participantes da suposta reunião em que informações de uma operação da Polícia Federal teria sido vazadas para beneficiar o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). O advogado Cristiano Fragoso é aguardado para prestar depoimento hoje, a partir das 16h. A denúncia de que o filho do presidente Jair Bolsonaro teria tido acesso a informações privilegiadas da PF foi feita em entrevista dada neste mês pelo empresário Paulo Marinho ao jornal Folha de S.Paulo.

Flávio Bolsonaro teria sido informado por um delegado da Polícia Federal sobre a Operação Furna da Onça, em 2018. Na ocasião, Flávio Bolsonaro não era alvo (dez deputados estaduais foram presos), mas seu assessor, Fabrício Queiroz, aparecia em um documento anexado ao inquérito. Segundo Marinho, ao ser informado disso, Flávio exonerou Queiroz de seu gabinete. 

No mesmo horário, a partir das 16h, a tesoureira do PSL do Rio nas eleições de 2018, Valdenice de Oliveira Meliga, presta depoimento na Polícia Federal no âmbito das investigações que a própria PF abiu para investigar vazamento. Ontem ela foi ouvida no âmbito das investigações abertas pelo Núcleo de Controle Externo da Atividade Policial do MPF e negou ter tido acesso a qualquer informação privilegiada sobre operação da PF. Val, como é conhecida, é figura com trânsito entre os Bolsonaro e é considerada uma aliada fiel da família. Além de tesoureira ela também foi assessora de Flávio Bolsonaro quando ele era deputado estadual. 

Essa é a segunda semana das investigações sobre o caso e, até agora, a avaliação de investigadores ouvidos pela CNN é de que os avanços foram tímidos e que somente Paulo Marinho, em depoimento, trouxe novas informações. Na quarta-feira, o Ministério Público Federal ouviu o advogado Victor Granado Alves, que, segundo Paulo Marinho, seria testemunha de que a operação da PF vazou para beneficiar Flávio Bolsonaro. Considerado peça-chave na investigação, ele permaneceu em silêncio durante seu depoimento, alegando sigilo profissional - ele foi advogado do atual senador. 

Com o depoimento de hoje, o MPF fecha o círculo das pessoas que, segundo Paulo Marinho, testemunharam o vazamento de informações para beneficiar Flávio Bolsonaro. As investigações estão em sigilo e seguirão em novas frentes a partir dos dados trazidos pelo empresário aos investigadores.

CNN