Para Ciro, reunião ministerial mostra ‘alucinação coletiva’

Para Ciro, reunião ministerial mostra ‘alucinação coletiva’

Ciro Gomes deu seu parecer neste sábado, 23, sobre a reunião ministerial do dia 22 de abril divulgada ontem a partir da autorização do ministro Celso de Mello, do STF, no âmbito do inquérito que investiga se o presidente Jair Bolsonaro interferiu politicamente na Polícia Federal. Para ele, o encontro foi uma demonstração de “alucinação coletiva” numa “verdadeira fila de desatinos e maluquices” em referência às falas dos ministros de governo.

Segundo ele, Abraham Weintraub comete ali “crime de responsabilidade” por defender a prisão de ministros do STF. Paulo Guedes, para ele, é um cínico e mentiroso por não ter dito a verdade sobre a verdadeira cifra liberada até agora pela União para combater os efeitos da pandemia no País e nos entes federativos. A ministra Damares Alves é, diz, “uma bandida” por querer, também, prender autoridades, no caso, governadores e prefeitos por estarem fazendo o que a OMS determina, ou seja, estabelecendo isolamento social. Do outro lado da mesa vem Ricardo Salles, pregando “destruir a legislação que protege o meio ambiente”.

“Nós estamos sendo governados por uma quadrilha de bandidos, e essa quadrilha de bandidos deve ser afastada do poder pelos caminhos da democracia. Por isso eu defendo o impedimento desse presidente da República, sem o que não sei que futuro esse país terá”, conclui.

Estadão Conteúdo