Quatro em cada 10 brasileiros acham que quarentena deve acabar mesmo sem contenção do vírus

Quatro em cada 10 brasileiros acham que quarentena deve acabar mesmo sem contenção do vírus

Para 40% dos brasileiros, deve ser permitido que os comércios abram suas portas mesmo sem que a Covid-19 esteja totalmente contida, a fim de que a economia se restabeleça. Este é o resultado do levantamento mais recente da pesquisa Tracking the Coronavirus, realizada semanalmente pela Ipsos com entrevistados de 14 nações. A média global também é de 40%.

Considerando todos os países ouvidos no estudo, o Brasil ficou em sexto lugar entre os que mais anseiam pela reabertura dos negócios. O primeiro lugar do ranking ficou com a Rússia, com 60% dos participantes declarando ser favoráveis ao fim da quarentena para o comércio. Em segundo, está a China (58%) e, na terceira posição, a Itália (53%).

Na outra ponta da lista, o Reino Unido garantiu o pódio entre as nações mais cautelosas: apenas 23% dos entrevistados locais acreditam que os comércios devem poder reabrir ainda que não haja a contenção do vírus. O Canadá ficou em segundo lugar, com 25%, e o Japão em terceiro, com 28%.

Medo de sair de casa
Paradoxalmente ao movimento de brasileiros ansiando pelo retorno da atividade econômica, mais da metade dos entrevistados no país externalizaram certo receio de voltar à rotina: 68% disseram que, caso os comércios abram suas portas e as viagens se restabeleçam, sentirão preocupação ao sair de casa. A média entre todas as nações ouvidas é de 65%.

A Índia, o Japão e a China são os mais temerosos entre os 14 países participantes do estudo, com 78%, 77% e 72%, respectivamente, dos participantes demonstrando insegurança com o retorno à vida pós-quarentena. Já os europeus Alemanha (44%), Itália (49%) e Rússia (57%) são os menos preocupados.