Roberto Cláudio diz que vai acionar Justiça sobre compra de respiradores: "Motivação política"

Roberto Cláudio diz que vai acionar Justiça sobre compra de respiradores: "Motivação política"

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), afirmou que vai acionar a Justiça e pedir explicações sobre a Operação Dispneia, da Polícia Federal (PF), deflagrada nesta segunda-feira, 25, para apurar denúncias em compras de respiradores pela Prefeitura. Segundo RC, o representante da Controladoria-Geral da União no Ceará, um dos órgãos por trás da operação, agiu com "motivações escusas" que podem ser político-partidárias. 

Roberto Cláudio afirmou "não crer" que instituições de "credibilidade, defesa da moralidade pública, de  combate à corrupção possam estar contaminadas e tendo sua reputação abalada por um representante que tem cargo de confiança do presidente da República". "Um representante que tem eventualmente motivação político-eleitorais. Esse ano é ano de eleição", continuou RC.

Por meio de live no Facebook, RC afirmou que a operação teve "erros grosseiros", os quais definiu como "pecados capitais". "Um quarto pecado capital coloca em xeque a motivação daqueles que estiveram por trás e estão cultivando esse tipo de esforço. Nessas contas não há um centavo sequer de recursos federais. Foram compras inteiramente com o tesouro municipal", afirma. Órgãos federais como a CGU só podem se envolver em ações do tipo caso estejam envolvidos recursos federais, de acordo como prefeito: "extrapolaram as competências e cometeram ilegalidade".

Roberto Cláudio pondera também erros no texto de denúncia da operação da PF, sobre "uma suposta comparação de preços". O prefeito afirma que equiparar equipamentos diferentes e comprados em épocas distintas foi um "erro grosseiro". "O erro contido no texto da ação é que ela compara filé com carne de pescoço", indica.

Segundo o prefeito, não é possível comparar um equipamento de R$ 60 mil com um de R$ 234 mil, que foi o preço pago pela Prefeitura. "A carne de pescoço não salva vida, o equipamento colocado lá não serve para salvar vidas".

O POVO Online