Ceará tem a taxa mais baixa de contágio da Covid-19 desde o início da pandemia

Ceará tem a taxa mais baixa de contágio da Covid-19 desde o início da pandemia

O Ceará registrou, nos últimos dias 15 e 16 de junho, as menores taxas de transmissão da Covid-19 desde que o novo coronavírus passou a circular, oficialmente, no Estado, no dia 15 de março deste ano. O número, apesar de ainda ser considerado alto, é três vezes menor do que foi verificado pela Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) naquele momento.

Nesta semana, o índice atingiu o menor valor já analisado: 0,73. A taxa mede a capacidade de contágio que o vírus tem entre as pessoas. Ou seja, nas circunstâncias atuais, cada grupo de 100 pessoas infectadas com o vírus, por exemplo, contamina outras 73 saudáveis. Apesar disso, o Ceará ainda se encontra com média transmissão, caracterizada pelo intervalo entre as taxas de 0,5 e 0,9. A baixa transmissão vai de 0 a 0,4. Os índices superiores a 1 indicam que a doença não está controlada.

Para se ter uma ideia da importância do número, no início da pandemia no Ceará, o índice chegou a 2,34, entre os dias 15 e 17 de março - mais de três vezes o que é encontrado atualmente no Estado. Naquela época, um grupo de 100 pessoas poderia transmitir o vírus para outras 234.

De acordo com o epidemiologista e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) Luciano Pamplona, a taxa de contágio é uma estimativa e a tendência "é a doença ir diminuindo cada vez mais até esgotar o número de casos", uma vez que há "menos gente transmitindo". Na concepção do especialista, "o desejo é que a taxa fique abaixo de 1".

Conforme Pamplona, o que influencia no número é a interação entre as pessoas. "Se a gente tivesse continuado no lockdown, isso iria se esgotar, iria diminuir até acabar a transmissão. Não fizemos isso por uma necessidade econômica, claro, e aí começou a flexibilizar. Então, mais pessoas vão estar em contato. Naturalmente, essa taxa pode aumentar um pouco. O desafio do governo agora é que ela, mesmo aumentando, não chegue em um número que volte a colapsar o sistema de saúde".

Diário do Nordeste