Dos 2.139 presos soltos devido à pandemia no Ceará, 39 voltaram para a cadeia

Dos 2.139 presos soltos devido à pandemia no Ceará, 39 voltaram para a cadeia


Dos 2.139 presos que deixaram a cadeia desde março em razão da pandemia do novo coronavírus no Ceará, 1,82% voltou a ser encarcerado, ou seja, 39. Esses são números colhidos pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

“A ação conjunta de diversos órgãos refreou o contágio em massa e o colapso do sistema de saúde pública, com respeito às necessidades de paz social e segurança pública”, avalia o juiz da 3ª Vara de Execuções Penais do Ceará e membro do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (GMF) local, Cézar Belmino Barbosa Evangelista Junior.

Entre as ações adotadas no estado, estão a constituição de comitê de acompanhamento da pandemia no sistema prisional com produção de dados, reuniões periódicas e participação de instituições, como a Secretaria de Administração Penitenciária, a Secretaria de Saúde, o Ministério Público, a Defensoria Pública, a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa e a Ordem dos Advogados do Brasil, além da análise célere dos pedidos de prisão domiciliar e saída antecipada.

Pouco depois da chegada da pandemia ao Brasil, em 17 de março, o CNJ editou uma recomendação para que todos os juízes revisassem a necessidade de manter presas pessoas em grupos de riscos para a covid-19, antecipando saídas dos regimes fechado e semiaberto ou revisando prisões provisórias para crimes não violentos, por exemplo.

CN7