Ministro da Educação, Abraham Weintraub, deixa o cargo

Ministro da Educação, Abraham Weintraub, deixa o cargo

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou, nesta quinta-feira (18), que não faz mais parte do governo do presidente Jair Bolsonaro. O anúncio foi feito pelo próprio ministro, em um vídeo publicado por ele, ao lado de Jair Bolsonaro.

Weintraub foi o segundo ministro da Educação do atual governo. Ele assumiu o cargo em abril de 2019, logo depois da saída de Ricardo Vélez Rodríguez, e permaneceu no posto por 14 meses.

Em vídeo publicado nas redes sociais, na tarde desta quinta-feira, Weintraub diz que já começou o processo de transição do MEC e que, nos próximos dias, vai "passar o bastão" para o substituto.

Sem querer dar detalhes dos "motivos da saída", ele afirmou que recebeu convite para ser diretor do Banco Mundial e agradeceu o aval de Bolsonaro.

"Eu, a minha esposa, os nossos filhos, e até a nossa cachorrinha Capitú, a gente vai poder ter a segurança que hoje está me deixando muito preocupado", declarou.

Bolsonaro afirmou que a saída do ministro "é um momento difícil" e que "a confiança você não compra, você adquire".

Atritos no governo
Weintraub cai após desgaste político com os ministros do Supremo Tribunal Federal, agravado com o episódio do último domingo (14) em que compareceu a um protesto em Brasília de apoiadores do governo.

No encontro com manifestantes, sem citar ministros do STF, Weintraub voltou a usar a palavra "vagabundos", em uma referência a afirmação dele na reunião ministerial de 22 de abril, em que disse: "Eu, por mim, colocava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF".

As declarações provocaram uma reação do Supremo, que nos bastidores cobrava a demissão do ministro. Sua permanência ficou insustentável e a saída passou a ser defendida pelo entorno de Bolsonaro, que sofria pressão dos filhos para mantê-lo no MEC.

Na segunda-feira (15), em entrevista à Band News, pouco depois de uma reunião com Weintraub, Bolsonaro afirmou que seu aliado não foi "muito prudente" nem deu "um bom recado" ao ter participado da manifestação em Brasília no dia anterior.

Diário do Nordeste