Pandemia da violência: Ceará ultrapassa a marca de 2 mil assassinatos em 2020

Pandemia da violência: Ceará ultrapassa a marca de 2 mil assassinatos em 2020

Após um fim de semana sangrento, com, ao menos, 41 casos de assassinatos, o estado do Ceará ultrapassou, nesta segunda-feira (8), a marca de dois mil homicídios neste ano. A guerra de facções criminosas, a disputa de traficantes pelo domínio de área, além dos constantes casos de feminicídios, mortes por intervenção policial e latrocínios (roubos seguidos de morte) elevaram os índices dos Crimes Violentos, Letais e Intencionais (CVLIs) no território cearense.

A capital cearense e sua Região Metropolitana foram responsáveis pela maioria dos crimes de morte nestes primeiros cinco meses do ano. Entre os dias 1º de janeiro e 7 de junho, foram registrados 1.294 assassinatos. Já no interior do estado, foram mais 729  casos.

Cidades até então pouco citadas nas manchetes policiais na imprensa local passaram a ser palco de crimes de morte após a chegada em suas terras de bandidos oriundos da Capital e da Região Metropolitana. Esses municípios passaram a enfrentar o mesmo problema da Grande Fortaleza em termos de Segurança Pública: a presença de facções criminosas e os delitos cometidos por seus integrantes, como assaltos e, principalmente, assassinatos.

Outro destaque nesta estatística criminal é a elevação das taxas dos assassinatos de mulheres no estado do Ceará, por conta da participação e envolvimento, cada vez mais intensos, de jovem com grupos criminosos. Entre janeiro e junho, já foram registrados 164 assassinatos de mulheres no estado.

Fernando Ribeiro