Protesto contra Bolsonaro em Fortaleza acaba em conflito com a PM

Protesto contra Bolsonaro em Fortaleza acaba em conflito com a PM

Dezenas de manifestantes se concentraram na tarde de ontem em ruas do entorno da Praça Portugal, em Fortaleza, em protestos contra o governo Jair Bolsonaro e em defesa da democracia. Originalmente, atos estavam marcados para o próprio espaço da praça, mas acabaram redirecionados para outras vias da Aldeota por barreiras da Polícia Militar.

O protesto acabou em conflito com a PM, que alegou descumprimento do decreto de isolamento social rígido em vigor no Estado. Os manifestantes subiam a avenida Desembargador Moreira em direção à Praça Portugal, quando foram interceptados por avanço do Batalhão de Choque. Não há informação de pessoas feridas.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), uma mulher foi presa e outras seis pessoas conduzidas ao 2º Distrito Policial, onde assinaram termos de ocorrência (TCOs) e foram liberadas.

Entre os detidos, estava o suplente de deputado estadual Ari Areia (Psol). "Foram 2 horas de detenção injustificada, minha e de outros nove companheiros. Atendi por três vezes os agentes de segurança para dialogar. Depois disso veio a truculência: a polícia nos cercou, acuando um movimento pacífico, selecionando e efetuando prisões injustas", disse Ari no Twitter.

"A polícia nos cercou, acuando um movimento pacífico, selecionando e efetuando prisões injustas".

No Twitter, o governador Camilo Santana (PT) disse ser "defensor das causas que levaram aos atos", mas destacou necessidade de respeito ao decreto de isolamento social.