Justiça torna guru espiritual réu, mas nega pedido de prisão

Justiça torna guru espiritual réu, mas nega pedido de prisão


A 15ª Vara Criminal de Fortaleza, da Justiça Estadual do Ceará, aceitou a denúncia do Ministério Público do Ceará (MPCE) contra o guru espiritual Pedro Ícaro de Medeiros, o 'Ikky', o que o tornou réu no processo. Mas o juiz recusou o pedido de prisão preventiva contra o acusado.

As informações foram confirmadas pelo Ministério Público, que acrescentou que irá recorrer da negativa da prisão. O MPCE acusou 'Ikky' por violação sexual mediante fraude, crime sexual para controlar o comportamento social ou sexual da vítima, charlatanismo e curandeirismo, na última sexta-feira (24).

O acusado é estudante de Filosofia e apontado como o criador da Comunidade Afago, onde teria abusado sexual, físico e psicologicamente de jovens de aproximadamente 20 anos, entre 2018 e 2019, em Fortaleza.

A defesa de 'Ikky', representada pelo advogado Klaus Borges, informou que ainda não teve acesso ao processo. "Pelo que a gente sabe, a denúncia foi feita em relação a charlatanismo, curandeirismo e a fraude sexual. O que corrobora com a nossa tese de que não tinha tido estupro e estelionato", afirma.

"No processo, a gente vai ter a chance de juntar mais provas, para que nem o restante das acusações se sustentem", completa Borges.